26/08/2021

Após 60 anos, cientistas descobrem elo perdido no controle da pressão arterial

Redação do Diário da Saúde
Após 60 anos, cientistas descobrem elo perdido no controle da pressão arterial
Os sensores de pressão ficam localizados dentro de um hormônio.
[Imagem: Hirofumi Watanabe et al. - 10.1161/CIRCRESAHA.120.318711]

Barômetros naturais

Cientistas afirmam ter encontrado o elo que faltava no controle da pressão arterial do corpo humano.

Hirofumi Watanabe e seus colegas da Universidade da Virgínia (EUA) determinaram a localização dos "barômetros naturais" de pressão sanguínea dentro do nosso corpo, que vinham escapando dos instrumentos científicos por mais de 60 anos.

Esses sensores celulares detectam mudanças sutis na pressão sanguínea e ajustam os níveis de hormônios para mantê-la sob controle.

A existência de um sensor de pressão dentro das células de renina foi proposta pela primeira vez em 1957. Fazia sentido: as células tinham que saber quando liberar renina, um hormônio que ajuda a regular a pressão arterial.

Mas, mesmo que os cientistas suspeitassem que esse barômetro celular tinha que existir, e procurassem por ele ativamente, eles não sabiam dizer como ele era e se estava localizado nas próprias células de renina ou nas células vizinhas.

Mecanotransdutor

Usando uma combinação de modelos de laboratório inovadores, a equipe determinou que o barorreceptor é um transdutor mecânico, ou mecanotransdutor, e está localizado dentro das células de renina - transdutor é um dispositivo que converte um tipo de energia em outro, como um alto-falante transforma os sinais elétricos de um aparelho em sons.

Esse mecanotransdutor detecta mudanças de pressão fora da célula e, em seguida, transmite esses sinais mecânicos ao núcleo da célula, mais ou menos do mesmo modo que a cóclea em nosso ouvido transforma as vibrações sonoras em impulsos nervosos que nosso cérebro consegue entender.

Em última análise, quando os barorreceptores detectam muita pressão fora da célula de renina, a produção de renina é restrita, enquanto a pressão sanguínea muito baixa estimula a produção de mais renina. Esse mecanismo é vital para a capacidade do corpo de manter a pressão arterial correta.

Novos tratamentos para hipertensão

Esta descoberta finalmente revela onde os barômetros naturais estão localizados, como funcionam e como ajudam a prevenir a pressão alta (hipertensão) ou baixa (hipotensão).

Os pesquisadores esperam que esse conhecimento leve à criação de novos tratamentos para a hipertensão.

"Foi estimulante descobrir que o evasivo mecanismo de detecção de pressão, o barorreceptor, era intrínseco à célula de renina, que tem a capacidade de sentir e reagir, ambos [comportamentos] dentro da mesma célula. Portanto, as células de renina são sensores e respondem," disse a professora Maria Luisa Sequeira-Lopez, coordenadora da equipe.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Renin Cell Baroreceptor, a Nuclear Mechanotransducer Central for Homeostasis
Autores: Hirofumi Watanabe, Brian C. Belyea, Robert L. Paxton, Minghong Li, Bette J. Dzamba, Douglas W. DeSimone, R. Ariel Gomez, Maria Luisa S. Sequeira-Lopez
Publicação: Circulation Research
DOI: 10.1161/CIRCRESAHA.120.318711
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Circulatório

Coração

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.