26/05/2021

Homem cego recupera visão parcial com terapia optogenética

Com informações da New Scientist
Homem cego recupera visão parcial com terapia optogenética
O ganho de visão é obtido por uma tecnologia experimental e altamente avançada, e não "por algas".
[Imagem: José-Alain Sahel et al. - 10.1038/s41591-021-01351-4]

Terapia optogenética em humanos

Um homem cego conseguiu os primeiros vislumbres de imagens graças a um tratamento experimental de alta tecnologia, usando optogenética, que envolve a alteração genética das células nervosas da retina para que elas voltem a responder à luz.

Os resultados mostram que o primeiro receptor desse tratamento conseguiu reconhecer diferentes objetos em testes de laboratório depois de um treinamento adequado.

Este é o primeiro resultado envolvendo a aplicação da optogenética em humanos.

A técnica já se tornou uma ferramenta de laboratório amplamente usada porque permite o controle preciso das células cerebrais, alterando-as para que disparem em resposta à luz. Isso levou a muitas descobertas sobre o cérebro em experimentos com animais.

Mas a crença generalizada na comunidade científica é que a optogenética teria um potencial médico limitado para o tratamento de distúrbios cerebrais em pessoas porque, para obter luz dentro da cabeça, é necessário implantar um cabo de fibra óptica, um tratamento absolutamente invasivo, com todos os riscos decorrentes.

Proteína de alga

Para evitar o inconveniente dos implantes, José-Alain Sahel e seus colegas pegaram um gene originalmente encontrado nas algas, que faz com que elas brilhem quando iluminadas com luz âmbar, e o implantaram em células da retina humana.

Essas células modificadas com a proteína das algas são então injetadas na retina do paciente - a proteína é conhecida como rodopsina de canal, um tipo de canal iônico controlado pela luz.

Para conseguir enxergar, os pacientes precisam usar óculos de proteção com câmeras e processadores, que transformam a luz comum em comprimentos de onda âmbar, e aumentam o sinal para que ela possa ser detectado pelas células alteradas.

Ou seja, é fácil ver o quanto algumas manchetes na imprensa não especializada cobriram mal o experimento: O ganho de visão é obtido por uma tecnologia experimental e altamente avançada, e não "usando algas".

Apenas visão parcial

A primeira pessoa a receber este tratamento, um homem de 58 anos na França portador de retinite pigmentosa, consegue ver as listras em preto e branco das faixas de pedestres na rua um ano após o implante.

Desde então, ele se tornou capaz de perceber objetos como um telefone, um móvel ou uma porta em um corredor. Em testes de laboratório, ele foi capaz de contar e localizar objetos à sua frente - mas não consegue reconhecer rostos.

Duas pessoas no Reino Unido já receberam a mesma terapia genética, mas ainda não tiveram treinamento para aprender a interpretar os sinais e, portanto, ainda não tiveram nenhuma melhora na visão. Quatro outras pessoas também receberam recentemente doses mais altas da injeção de células geneticamente modificadas, que a equipe espera trazer benefícios maiores.

Em sua forma atual, a terapia não consegue dar uma visão boa o suficiente para permitir a leitura ou reconhecimento de rostos, o que exigiria uma resolução que não pode ser alcançada pela tecnologia no estágio atual de desenvolvimento.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Partial recovery of visual function in a blind patient after optogenetic therapy
Autores: José-Alain Sahel, Elise Boulanger-Scemama, Chloé Pagot, Angelo Arleo, Francesco Galluppi, Joseph N. Martel, Simona Degli Esposti, Alexandre Delaux, Jean-Baptiste de Saint Aubert, Caroline de Montleau, Emmanuel Gutman, Isabelle Audo, Jens Duebel, Serge Picaud, Deniz Dalkara, Laure Blouin, Magali Taiel, Botond Roska
Publicação: Nature Medicine
DOI: 10.1038/s41591-021-01351-4
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Olhos e Visão

Fotônica

Genética

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.