25/05/2022

Medicamento à base de estrôncio para osteoporose danificava os ossos

Redação do Diário da Saúde
Medicamento à base de estrôncio para osteoporose danificava os ossos
O remédio foi descontinuado não porque fizesse mal aos ossos, mas também porque afetava o coração.
[Imagem: Jornal da USP]

Remédio que fazia mal

As altas doses de estrôncio, um elemento químico presente em um medicamento receitado por muito tempo para tratamento da osteoporose, mas agora já retirado de linha, na verdade resultavam em enfraquecimento dos ossos.

Esta foi a conclusão da pesquisadora Camila Tovani e seus colegas da USP de Ribeirão Preto.

"A osteoporose é uma das doenças que mais afeta a população idosa, e trazer a discussão sobre a dose dos remédios administrados e as condições de cada paciente é importante para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas," justificou Camila.

A pesquisadora analisou a influência do elemento químico estrôncio, em sua forma iônica (Sr2+), na formação óssea utilizando modelos biomiméticos, ou seja, que imitam a estrutura e a composição do tecido in vivo.

Os resultados mostraram que altas concentrações de estrôncio podem promover a desestabilização dos principais componentes ligados à formação dos ossos, o que explica o desenvolvimento de patologias associadas ao acúmulo deste elemento no tecido.

Ranelato de estrôncio

De acordo com a pesquisadora, o ranelato de estrôncio era um fármaco amplamente prescrito para pacientes com osteoporose, doença caracterizada pela perda progressiva da massa óssea, e que inspirou o uso do elemento químico em diversos tratamentos da doença.

O fármaco não foi descontinuado por estes efeitos reversos sobre os ossos, mas devido a efeitos colaterais, como doenças cardiovasculares, relacionados à necessidade de administração em alta dosagem. De fato, o efeito do medicamento na estrutura da hidroxiapatita, o mineral presente nos ossos, não havia sequer sido investigado.

Questionada sobre os impactos de sua descoberta, Camila afirma esperar que novos fármacos contendo estrôncio, que resultem em efeitos positivos sobre o tecido ósseo em baixa dosagem, possam ser desenvolvidos. Este íon pode auxiliar na regulagem de células importantes para manutenção da estrutura óssea e não deve ser descartado como possibilidade de terapia. Apenas o excesso de dosagem deve ser evitado.

Além disso, a pesquisa pode ajudar a estudar o papel de outros elementos químicos sobre a saúde.

"O modelo biomimético desenvolvido por nós, em Ribeirão Preto, e em parceria com a pesquisadora Nadine Nassif, da Universidade Sorbonne, na França, pode ser usado para investigar o efeito de outros elementos químicos, auxiliando no estudo de diversas doenças que atingem o tecido ósseo", comentou Camila.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Formation of stable strontium-rich amorphous calcium phosphate: Possible effects on bone mineral
Autores: Camila Bussola Tovani, Alexandre Gloter, Thierry Azaïs, Mohamed Selmane, Ana Ramos, Nadine Nassif
Publicação: Acta Biomaterialia
Vol.: 92, pp. 315-324
DOI: 10.1016/j.actbio.2019.05.036
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Ossos e Articulações

Medicamentos

Coração

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.