11/09/2020

Você conhece o medo de perder alguma coisa?

Redação do Diário da Saúde
Você conhece o
Por outro lado, não apenas a felicidade é contagiante, como também a felicidade é obtida por meio da bondade.
[Imagem: James Fowler/UC San Diego]

Medo da felicidade dos outros

Talvez você ainda esteja discutindo consigo mesmo que tipo de ansiedade você tem, mas os psicólogos já estão lidando com um tipo do qual poucos ouviram falar: o "medo de perder alguma coisa".

Parece ser um fenômeno típico da modernidade, em que as pessoas sentem uma necessidade de ficarem constantemente conectadas para saber o que está acontecendo em tempo real com seus contatos.

Se não fizerem isso, eles temem "perder alguma coisa" que aconteceu e da qual elas não participaram - algo como: "Seus amigos se divertiram sem você".

Por isso, os cientistas partiram para estudar justamente esse público. Mas os resultados não foram os esperados: Ocorre que adolescentes viciados em redes sociais não são as únicas pessoas que experimentam o "medo de perder de alguma coisa".

"O 'medo de perder alguma coisa' não é um problema de adolescentes ou jovens adultos, necessariamente. Ele tem de fato a ver com diferenças individuais, independentemente da idade. Esperávamos que o medo de perder alguma coisa fosse maior em grupos de idade mais jovem, especialmente por causa da enorme quantidade de desenvolvimento social que está acontecendo nessa idade, mas não foi isso que descobrimos," afirmam Megan Wong e Chris Barry, da Universidade Estadual de Washington (EUA).

Na verdade, não foi a idade, mas aspectos da autopercepção - solidão, baixa autoestima e baixa autocompaixão - que se mostraram mais associados à ansiedade social de que outras pessoas estariam se divertindo sem você.

Medo de perder alguma coisa

Os psicólogos fizeram uma pesquisa com mais de 400 pessoas, de 14 a 47 anos, fazendo uma série de perguntas relacionadas à autopercepção, satisfação com a vida e uso de mídias sociais.

Os resultados mostraram que o uso das mídias sociais não era um bom indicador do medo de estar por fora. Por exemplo, duas pessoas com o mesmo envolvimento nas mídias sociais podem ser afetadas de maneira bem diferente: Uma pode ter poucos sentimentos negativos sobre ver as atividades de seus amigos, enquanto a outra pode achar isso perturbador.

"Não somos todos igualmente propensos ao medo de perder alguma coisa, mas para aqueles que o têm, as mídias sociais podem exacerbar isso," disse Barry. "As mídias sociais permitem que você testemunhe o que outras pessoas estão fazendo e o que está acontecendo em suas vidas. Se já houver preocupação em perder, então haverá sofrimento em ver isso nas redes sociais."

Como se livrar desse medo

Para as pessoas que estão passando por esse tipo de sofrimento, os dois psicólogos sugerem que pode ser bom reduzir o uso das mídias sociais ou até cortar seu uso totalmente por um período de tempo.

E o estudo encontrou um ponto positivo: Embora o medo de perder alguma coisa possa ter impactos negativos, ele não parece estar relacionado ao sentimento de satisfação com a vida dos entrevistados. Barry afirma que isso indica que o medo de perder alguma coisa não é uma ansiedade social avassaladora.

Os pesquisadores sugerem que as pessoas que desejam reduzir seus sentimentos de medo de perder alguma coisa devem tentar lidar com suas autopercepções negativas, como praticar a autocompaixão, ver os reveses pessoais como oportunidades de crescimento, tomar medidas para reduzir a solidão e tirar o foco das distantes experiências dos outros.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Fear of missing out (Fear of Missing Out): A generational phenomenon or an individual difference?
Autores: Christopher T. Barry, Megan Y. Wong
Publicação: Journal of Social and Personal Relationships
DOI: 10.1177/0265407520945394
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Emoções

Relacionamentos

Comportamento

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.