14/01/2021

Mulheres sofrem mais com isolamento na pandemia

Redação do Diário da Saúde
Mulheres sofrem mais com isolamento na pandemia
As pontuações mais altas para as mulheres na escala de empatia podem significar que elas têm maior probabilidade de seguir as diretrizes de saúde pública.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Maior sofrimento feminino

Em vista do isolamento social imposto pela pandemia de covid-19, as mulheres estão sofrendo mais do que os homens.

Elas apresentam maiores problemas de sono, mais ansiedade, depressão e trauma.

Por outro lado, elas também se sentem mais empáticas do que os homens, estando mais abertas a atender às normas de distanciamento social por reconhecer que isto protege a elas próprias e aos outros.

Mais de 66% dos participantes relataram má qualidade do sono, 39% relataram aumento dos sintomas de insônia e ansiedade, e a angústia aumentou em toda a amostra. Os sintomas de sono, depressão e ansiedade foram mais prevalentes em mulheres.

"No geral, o estudo revelou mulheres relatando mais ansiedade e mais depressão," disse a Dra Veronica Guadagni, da Universidade de Calgary (Canadá). "Os sintomas pioraram com o tempo e com a maior extensão do período de isolamento. Houve um aumento progressivo da ansiedade, depressão, má qualidade do sono e trauma para homens e mulheres. Mas foi maior para mulheres com o tempo."

Maior empatia

O estudo também descobriu que as mulheres alcançaram pontuações mais altas em uma escala que mede a empatia, a capacidade de compreender as emoções dos outros e de cuidar dos outros.

Mas, como a maior empatia ocorreu junto com aumento na ansiedade, depressão e trauma, os autores especulam que a maior preocupação e ansiedade das mulheres em relação a serem cuidadoras reflete diferenças nos papéis e normas de gênero.

"Não fiquei surpreso com os resultados; as mulheres são as que carregam a carga adicional. Cuidar da família e de situações críticas sempre foi uma carga enorme para as mulheres," opinou o Dr. Giuseppe Iaria, membro da equipe.

Quando se trata de sentir pelos outros, as pontuações mais altas para as mulheres na escala de empatia podem significar que elas têm maior probabilidade de seguir as diretrizes de saúde pública, como lavar as mãos, distanciar-se socialmente e usar máscara.

"Se percebemos que uma empatia maior está ligada ao comportamento pró-social, podemos esperar que as pessoas que realmente se importam mais com os outros respeitem mais as regras. Estudos futuros devem testar essa hipótese específica," disse Guadagni.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Sleep Quality, Empathy, and Mood During the Isolation Period of the COVID-19 Pandemic in the Canadian Population: Females and Women Suffered the Most
Autores: Veronica Guadagni, Alberto Umilta, Giuseppe Iaria
Publicação: Frontiers in Global Women's Health
DOI: 10.3389/fgwh.2020.585938
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Gênero

Emoções

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.