23/07/2021

Músculo cardíaco artificial dispensa peças metálicas

Redação do Diário da Saúde
Músculo cardíaco artificial dispensa peças metálicas
O aparelho macio dispensa a cirurgia direta no coração.
[Imagem: EPFL]

Músculo cardíaco artificial

O conceito de um novo dispositivo de assistência cardíaca chamou a atenção da comunidade médica no ano passado por ser totalmente desprovido de componentes metálicos rígidos.

Trata-se de um "músculo artificial" macio, projetado para envolver a aorta e então contrair e dilatar o vaso, melhorando a função natural da aorta e ajudando o coração a bombear sangue para o resto do corpo.

Agora, a equipe da Escola Politécnica Federal de Lausanne e da Universidade de Berna (Suíça) implantaram com sucesso seu primeiro músculo artificial tubular in vivo, em um porco.

Durante a operação de 4 horas de duração, o aparelho de assistência cardíaca controlou 24.000 pulsações, das quais 1.500 foram ativadas artificialmente pela aorta.

A equipe já conseguiu o financiamento necessário para as próximas fases do projeto, que incluem o desenvolvimento de músculos artificiais para tratar outras doenças humanas, como esfíncteres artificiais que poderão resolver a incontinência urinária, por exemplo, ou para restaurar o controle da expressão facial.

Músculo cardíaco artificial dispensa peças metálicas
Uma das vantagens do aparelho é a total eliminação das peças metálicas rígidas.
[Imagem: EPFL]

Aorta artificial

A tecnologia cardíaca assistiva atual requer conectar o coração diretamente a uma bomba, o que significa uma cirurgia cardíaca invasiva. Além disso, as bombas tradicionais usam sistemas mecânicos rígidos envolvendo uma hélice para fazer o sangue fluir, mas que também destrói os glóbulos vermelhos, o que torna esses aparelhos uma solução insustentável a longo prazo.

O novo dispositivo cardíaco não interfere diretamente no coração, mas na aorta. O conceito envolve a colocação de um atuador de elastômero dielétrico - um polímero que transforma energia elétrica em trabalho mecânico - ao redor da aorta, próximo à válvula aórtica.

Quando recebe uma voltagem elétrica, o atuador contrai e dilata artificialmente a aorta, funcionando como um músculo tubular que imita a função natural da aorta.

"Nossa aorta artificial imita o modo como os vasos sanguíneos se contraem e relaxam para mover o sangue através do sistema circulatório. A diferença é que a ação natural da aorta é passiva devido à pressão arterial, enquanto nosso dispositivo é controlado por uma voltagem externa," explicou Yoan Civet, membro da equipe. "Com a ajuda da nossa aorta artificial, o coração usa menos energia para circular o mesmo volume de sangue."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Feasibility of a Dielectric Elastomer Augmented Aorta
Autores: Morgan Almanza, Francesco Clavica, Jonathan Chavanne, David Moser, Dominik Obrist, Thierry Carrel, Yoan Civet, Yves Perriard
Publicação: Advanced Science
DOI: 10.1002/advs.202001974
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Coração

Implantes

Robótica

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.