19/07/2021

Namoro ou amizade? Dois terços dos casais românticos começam como amigos

Redação do Diário da Saúde
Namoro ou amizade? Amizade primeiro, namoro depois
E as amizades começam sem um interesse romântico assumido - parece que "a coisa vem naturalmente".
[Imagem: Sasin Tipchai/Pixabay]

Ilusão no cinema e na ciência

Os filmes e as séries de televisão tipicamente seguem o clichê de romances emergindo repentinamente quando dois estranhos se encontram.

Os casais da vida real, no entanto, têm muito mais probabilidade de começar como amigos: Dois terços dos relacionamentos românticos começam assim.

Ao examinar uma amostra de estudos científicos já publicados, feitos para estudar como os relacionamentos começam, os pesquisadores descobriram que quase 75% desses estudos seguiam o clichê cinematográfico, concentrando-se na "centelha mágica" do romance entre desconhecidos - apenas 8% dos estudos se concentrou especificamente no romance que se desenvolve entre amigos ao longo do tempo.

"Há muitas pessoas que se sentiriam muito confiantes em dizer que sabemos por que e como as pessoas escolhem parceiros, se tornam um casal e se apaixonam, mas nossa pesquisa sugere que não é o caso," disse o professor Danu Anthony Stinson, da Universidade de Vitória (Canadá). "Podemos ter um bom entendimento de como os estranhos se sentem atraídos um pelo outro e começam a namorar, mas simplesmente não é assim que a maioria dos relacionamentos começa."

Primeiro amizade, depois amor

A equipe analisou dados de quase 1.900 estudantes universitários e adultos, tendo 68% deles relatado que seu relacionamento romântico atual ou mais recente começou como uma amizade.

Houve pouca variação entre gênero, nível de educação ou grupos étnicos, mas a taxa de romances que começaram como amizade foi ainda maior entre os jovens na faixa dos 20 anos. E, dentro das comunidades LGBTQ+ o índice desses casais começando como amizades chegou a 85%.

Entre os estudantes universitários, os que começaram como amigos eram amigos por um a dois anos antes de iniciar um relacionamento romântico. Os pesquisadores notaram que a grande maioria desses participantes relatou que suas amizades não começaram com intenções ou atração românticas.

O professor Stinson também observou que a duração média das amizades pré-romance significa que é provável que os casais fossem amigos genuínos e platônicos antes da transição para o romance.

Conceitos de namoro e amizade

Quase metade dos voluntários confirmou que começar como amigos ou amigas era a forma preferida de desenvolver um relacionamento amoroso, tornando esse caminho de longe mais popular do que outras opções apresentadas, como o encontro em uma festa ou online.

Stinson afirma que espera que esta pesquisa leve os cientistas a revisitarem suas noções preconcebidas sobre amor e amizade - frequentemente aprendemos que romance e amizade são tipos diferentes de relacionamento, que se formam de maneiras diferentes e atendem a necessidades distintas.

Talvez seja assim no cinema, e tem sido assim na maioria dos estudos científicos, mas a realidade é diferente.

"Nossa pesquisa sugere que as linhas entre amizade e romance são difusas," disse Stinson, "e acho que isso nos força a repensar nossas suposições sobre o que constitui uma boa amizade, mas também o que constitui um bom relacionamento romântico."

Checagem com artigo científico:

Artigo: The Friends-to-Lovers Pathway to Romance: Prevalent, Preferred, and Overlooked by Science
Autores: Danu Anthony Stinson, Jessica J. Cameron, Lisa B. Hoplock
Publicação: Social Psychological and Personality Science
DOI: 10.1177/19485506211026992
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos

Felicidade

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.