24/08/2020

A neurociência da motivação

Redação do Diário da Saúde
A neurociência da motivação
Quer motivação? Viva para aprender, não para vencer.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Como ter motivação?

Não há dúvida de que a motivação é um dos fatores mais importantes da vida - mas também um dos mais difíceis de se manter.

De fato, a motivação pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso, entre o estabelecimento de metas e a falta de objetivos, entre o bem-estar e a infelicidade.

E, no entanto, por que é tão difícil ficar motivado - ou mesmo quando conseguimos, é tão difícil manter-nos motivados?

Estas foram as perguntas que Carmen Sandi (Escola Politécnica Federal de Lausanne - Suíça) e Gedi Luksys (Universidade de Edimburgo - Reino Unido) procuraram responder.

A dupla partiu de conhecimentos anteriores que lhes diziam duas coisas: Primeiro, que as pessoas diferem muito em sua capacidade de se envolver em comportamentos motivados e que problemas motivacionais, como apatia, são comuns em distúrbios neurodegenerativos e psiquiátricos.

Em segundo lugar, muitas pesquisas apontam para uma área do cérebro chamada "núcleo accumbens". Situado próximo à base do cérebro, o núcleo accumbens tem sido muito estudado porque se descobriu que ele desempenha um papel importante em funções como aversão, recompensa, reforço e motivação.

Glutamina e o glutamato

Para testar e quantificar a motivação, a equipe projetou o que é conhecido como "força-tarefa com incentivo monetário". A ideia é que os voluntários realizem uma tarefa com esforço crescente - e mensurável - e recebam somas de dinheiro que correspondam ao seu esforço. Basicamente, faça mais e ganhe mais.

A ideia do experimento era que as diferentes somas de dinheiro levariam os voluntários a decidir se iriam investir energia e realizar cada tarefa. Os pesquisadores também realizaram o experimento em condições de isolamento e de grupo, para analisar a influência da competição no desempenho.

A análise revelou que a chave para o desempenho - e, por extensão, a motivação - aparecia na proporção de dois neurotransmissores no núcleo accumbens: a glutamina e o glutamato. Especificamente, a proporção de glutamina para glutamato está relacionada à nossa capacidade de manter o desempenho por um longo período de tempo - o que os pesquisadores chamam de "perseverança".

Outra descoberta foi que a competição parece melhorar o desempenho mesmo no início da tarefa. Foi o que aconteceu no caso de indivíduos com baixas razões glutamina/glutamato no núcleo accumbens.

"Os resultados fornecem novos insights no campo da neurociência da motivação," disse a professora Carmen Sandi. "Eles mostram que o equilíbrio entre a glutamina e o glutamato pode ajudar a prever componentes computacionais específicos do desempenho motivado. Nossa abordagem e nossos dados também podem nos ajudar a desenvolver estratégias terapêuticas, incluindo intervenções nutricionais, que lidem com os déficits no engajamento em um esforço focando no metabolismo."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Glutamine-to-glutamate ratio in the nucleus accumbens predicts effort-based motivated performance in humans
Autores: Alina Strasser, Gediminas Luksys, Lijing Xin, Mathias Pessiglione, Rolf Gruetter, Carmen Sandi
Publicação: Nature Physics
DOI: 10.1038/s41386-020-0760-6
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Mente

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2020 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.