12/04/2022

Níveis de hormônio preveem ou detectam perda óssea em mulheres

Redação do Diário da Saúde
Níveis de hormônio preveem ou detectam perda óssea em mulheres na pré-menopausa
Renderização de uma seção transversal da coluna, mostrando a perda óssea devido à osteoporose. As mulheres experimentam perda óssea significativa durante um período de aproximadamente três anos, chamado de transição da menopausa.
[Imagem: UCLA/iStock.com/CreVis2]

Hormônio que indica perda óssea

Um exame que meça o nível de um hormônio que diminui à medida que as mulheres se aproximam do período menstrual final pode dizer se a perda óssea relacionada à menopausa já está em andamento ou se está prestes a começar.

Um exame assim, quando disponível, poderá ajudar os médicos a determinar quando e como tratar a perda óssea das mulheres à medida que elas envelhecem, e fazer isto antes que a perda óssea cause problemas de saúde significativos.

Especificamente, os pesquisadores descobriram que, para mulheres com 42 anos ou mais, que ainda não estão na pós-menopausa, os níveis do hormônio anti-mulleriano, ou AMH, indicam se elas estão experimentando ou prestes a experimentar uma perda óssea relacionada à transição para a menopausa.

"Para poder intervir e reduzir a taxa e a quantidade de perda óssea, precisamos saber se essa perda é iminente ou já está em andamento," disse o Dr. Arun Karlamangla, da Universidade da Califórnia de Los Angeles. "Nós não sabemos com segurança, antes que ele realmente aconteça, quando será o último período menstrual de uma mulher, então não podemos dizer se é hora de fazer algo sobre a perda óssea".

A perda óssea geralmente começa cerca de um ano antes do último período menstrual da mulher.

Perda de massa óssea na menopausa

As mulheres experimentam perda óssea significativa durante a transição da menopausa, uma janela de aproximadamente três anos que abrange o período menstrual final, e é acompanhada por outros sintomas, como ciclos menstruais irregulares, ondas de calor e distúrbios do humor e do sono.

Os níveis do hormônio AMH (anti-mulleriano) diminuem à medida que o período menstrual final da mulher se aproxima.

Os pesquisadores descobriram que 17% das mulheres na pré-menopausa, com 42 anos de idade ou mais, terão perdido uma fração significativa do seu pico de massa óssea dentro de dois a três anos a partir da data em que um médico fizer a previsão.

Mas, entre aquelas com menos de 50 picogramas de AMH por mililitro de sangue (pg/mL), quase o dobro da porcentagem - 33% - terá perdido uma fração significativa do pico de massa óssea no mesmo período - um picograma é um trilionésimo de grama.

Além disso, 42% das mulheres na perimenopausa precoce - o que significa que elas têm sangramento menstrual irregular, mas com um intervalo não superior a três meses entre os períodos - terão perdido uma fração significativa do pico de massa óssea dentro de dois a três anos.

Mas, entre as mulheres na perimenopausa precoce com níveis de AMH abaixo de 25 pg/mL, 65% terão perdido uma porcentagem significativa do pico de massa óssea nesse período.

Os pesquisadores reconhecem que seu estudo tem algumas limitações. Os resultados não podem ser aplicados a mulheres que já estejam tomando medicamentos para osteoporose, ou que tenham sido submetidas a histerectomia antes da última menstruação, ou que usaram hormônios sexuais exógenos durante a transição para a menopausa; e o estudo não incluiu mulheres hispânicas, nem incluiu mulheres que entraram na menopausa antes dos 42 anos.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Anti-mullerian hormone as predictor of future and ongoing bone loss during the menopause transition
Autores: Arun S Karlamangla, Albert Shieh, Gail A Greendale, Elaine W Yu, Sherri-Ann M Burnett-Bowie, Patrick M Sluss, Deborah Martin, Anthony Morrison, Joel S Finkelstein
Publicação: Journal of Bone and Mineral Research
DOI: 10.1002/jbmr.4525
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Ossos e Articulações

Exames

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.