13/08/2021

Paternidade pelo DNA atribuída incorretamente pode estar diminuindo

Redação do Diário da Saúde
Paternidade pelo DNA atribuída incorretamente pode estar diminuindo
A chamada "ciência forense" ainda tem pouco de ciência.
[Imagem: CC0 Creative Commons/Pixabay]

Dúvidas sobre paternidade pelo DNA

Determinar quem é o pai biológico de uma criança é um assunto delicado, mas a resposta é sempre crucial para os envolvidos.

Uma paternidade atribuída incorretamente - em que um homem é erroneamente considerado o pai genético de uma criança - pode ter consequências tanto para a família, como também para a sociedade em geral, envolvendo disputas de herança, a ordem de sucessão, entre muitas outras.

O que a população em geral não sabe é que, com base em estudos científicos feitos com grupos selecionados de pessoas, a frequência de paternidade atribuída incorretamente foi estimada entre 20 e 30 por cento.

Mas não precisa ser tão ruim assim, e os cientistas e laboratórios podem fazer melhor.

O exemplo mais recente vem de um estudo de âmbito nacional, realizado na Suécia por pesquisadores do Instituto Karolinska.

Ao usar dois modelos diferentes, a equipe conseguiu mostrar que a proporção de paternidades estabelecidas incorretamente na Suécia pode ser estimada hoje em 1,7%, um número que vem diminuindo com o tempo.

"A ligação genética entre um pai e um filho é uma questão eterna que, por razões óbvias, muitas vezes pode ser difícil de determinar. No entanto, com a descoberta dos grupos sanguíneos no início do século 20 e como estes são herdados, foi possível obter uma resposta confiável em alguns casos individuais," disse o professor Gustaf Edgren.

Paternidade pelo DNA mais confiável

Neste novo estudo, os pesquisadores ligaram dois registros diferentes: Um banco de dados de transfusão, contendo dados de grupos sanguíneos, e o registro multigeracional sueco, contendo informações detalhadas sobre parentesco - por exemplo, quem está registrado como pai e mãe.

Com base em crianças nascidas entre 1930 e 2010, a equipe criou quase dois milhões das chamadas unidades familiares, com informações sobre o tipo de sangue da mãe, pai e filho.

"Para analisar esses dados, usamos dois métodos estatísticos independentes, para garantir os resultados," explicou Edgren. "Ambos os métodos produziram os mesmos resultados, onde a incidência de paternidades estabelecidas incorretamente foi em média de 1,7 por cento. Isso mostra que a frequência é significativamente menor do que em muitos estudos anteriores."

"Se olharmos para a última parte do século 20, o número cai para cerca de um por cento. Por que exatamente é difícil dizer, mas uma hipótese é que agora temos anticoncepcionais melhores e mais acessíveis. A sociedade também mudou, por exemplo, no passado, o divórcio não era tão aceitável," acrescentou o pesquisador.

O estudo também mostrou que a paternidade estabelecida incorretamente é mais comum entre pais com menor escolaridade.

Checagem com artigo científico:

Artigo: The frequency of misattributed paternity in Sweden is low and decreasing: A nationwide cohort study
Autores: Torsten Dahlén, Jingcheng Zhao, Patrik K.E. Magnusson, Yudi Pawitan, Jakob Lavröd, Gustaf Edgren
Publicação: Journal of Internal Medicine
Vol.: 13, no. 2, page 11
DOI: 10.1111/joim.13351
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Cuidados com o Recém-nascido

Cuidados com a Família

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.