17/01/2008

Pré-eclâmpsia poderá ser tratada com veneno de jararaca

Thiago Romero

Cientistas do Centro de Toxinologia Aplicada (CAT) do Instituto Butantan encontraram uma nova droga no veneno da jararaca capaz de combater a pré-eclâmpsia, problema caracterizado por um quadro de hipertensão gestacional que atinge mulheres a partir da vigésima semana de gravidez.

Pré-eclâmpsia

Calcula-se que no Brasil cerca de 3,2 milhões de mulheres ficam grávidas por ano e, segundo o Conselho Brasileiro de Cardiopatia e Gravidez, 10% dessas gestantes apresentam pré-eclâmpsia, que é associada a cerca de 25% dos óbitos maternos.

Molécula do veneno da jararaca

Nos experimentos com o veneno da serpente, os pesquisadores identificaram uma molécula que, em animais, mostrou possuir um mecanismo de ação capaz de atuar diretamente nas artérias para manter os vasos sangüíneos relaxados, controlando a pressão arterial. Os responsáveis pelo achado são os doutorandos Juliano Guerreiro e Claudiana Lameu Gomes, orientados pelo professor Antonio Carlos Martins de Camargo, coordenador do CAT, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da FAPESP.

Peptídeos

"Trata-se de uma molécula, isolada do veneno da Bothrops jararaca, que faz parte de uma classe de peptídeos com ação anti-hipertensiva. São cerca de 25 peptídeos que estão sendo patenteados", disse Juliano Guerreiro à Agência FAPESP. A equipe submeteu pedido de patente da substância no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa. "Por isso não podemos revelar as moléculas da substância nem seus mecanismos de ação", afirma.

Anti-hipertensiva

A eficácia da nova droga para o tratamento da pré-eclâmpsia foi comprovada em testes com dezenas de camundongos fêmeas. "Como essa classe de peptídeos isolada do veneno possui ação anti-hipertensiva, os testes foram realizados por meio de tentativa e erro. Induzimos nos animais uma série de patologias relacionadas com a pressão alta para verificar quais peptídeos seriam capazes de combatê-las", explica Guerreiro.

"Apesar de a pré-eclâmpsia ser estritamente humana, ao reproduzirmos esse distúrbio nos camundongos conseguimos identificar na molécula o mecanismo para seu tratamento. Esse mecanismo está envolvido na liberação de óxido nítrico, gás que, indiretamente, é responsável pelo relaxamento dos vasos sangüíneos das artérias para o controle da pressão", complementa.

Exclusivo para gestantes

Segundo Guerreiro, "a molécula que se mostrou eficaz no tratamento da pré-eclâmpsia é inédita no Brasil e no mundo". "Os medicamentos usados no combate à pré-eclâmpsia são os mesmos utilizados para a hipertensão, que não levam em conta as peculiaridades do organismo de uma gestante", disse o pesquisador.

Impactos sobre o feto

O próximo passo do estudo será analisar a toxicidade da substância. "Precisamos descobrir, por meio de testes in vitro e em animais, se existe alguma interferência da droga no desenvolvimento do feto", conta. Se tudo der certo, os testes em humanos deverão ter início após essa fase. Ainda não há previsão para que a droga esteja disponível comercialmente.

Retenção de líquidos

Além da pressão arterial alta, na pré-eclâmpsia também podem ocorrer a retenção de líquidos e a presença de proteína na urina, podendo assim evoluir para convulsão e coma (eclâmpsia). O distúrbio deve ser diagnosticado e tratado de forma rápida, durante o pré-natal, já que ele pode restringir o fluxo de sangue para a placenta e colocar a vida do feto e da mãe em risco.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Medicamentos Naturais

Cuidados com o Recém-nascido

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.