11/11/2021

Proteínas sintéticas podem viabilizar cura funcional para a AIDS

Redação do Diário da Saúde
Proteínas sintéticas podem viabilizar cura funcional para a AIDS
As proteínas sintéticas incentivam o sistema imunológico a produzir células que atacam o HIV.
[Imagem: Mengyan Li et al. - 10.1172/JCI141051]

SynTac

Armados com uma nova estratégia que desenvolveram para reforçar a resposta imunológica do corpo, cientistas do Colégio de Medicina Albert Einstein (EUA) conseguiram eliminar a infecção por HIV em camundongos, um caminho promissor para uma cura funcional para a AIDS e outras infecções virais crônicas.

O tratamento envolve proteínas projetadas em laboratório para estimular seletivamente as "células assassinas" T CD8+ do sistema imunológico - elas só "assassinam" ameaças -, fazendo-as se multiplicarem e atacarem especificamente as células T infectadas pelo HIV.

As proteínas sintéticas foram batizadas de synTac, abreviação em inglês para "sinapse para ativação de células T".

Cura funcional

O HIV infecta as células T CD4+ do sistema imunológico. Nos últimos 25 anos, pessoas infectadas pelo HIV têm conseguido controlar sua infecção por meio da terapia antirretroviral (TARV), uma combinação de vários medicamentos que evitam que o HIV infecte novas células T CD4+ e se multiplique dentro delas.

Contudo, se a TARV for interrompida, os vírus HIV latentes - que podem persistir por anos nas células T CD4+ - invariavelmente emergem de seus esconderijos para reviver a infecção.

As proteínas synTac aumentam muito a quantidade de células T CD8+ protetoras específicas para o HIV, eliminando essas células infectadas, gerando o que os pesquisadores chamam de "cura funcional".

"É improvável que qualquer estratégia de tratamento possa remover todas as células T infectadas de forma latente," comentou o Dr. Harris Goldstein. "Nosso objetivo com a synTac é uma 'cura funcional', na qual a poderosa resposta imunológica induzida pela synTac suprime o HIV a níveis indetectáveis, mesmo após a interrupção da TARV."

Outra notícia promissora é que a técnica pode ser usada para tratar várias outras condições, incluindo algumas não causadas por vírus.

"Um elemento chave da plataforma synTac é a facilidade com que podemos programar proteínas para combater qualquer uma das muitas doenças nas quais as células T desempenham um papel - incluindo alvos de doenças que se estendem muito além dos vírus. Por exemplo, um ensaio clínico em andamento, envolvendo pacientes com câncer de cabeça e pescoço, está avaliando a capacidade da synTac de ativar seletivamente as células T anticâncer. E, uma vez que as synTacs podem desligar, bem como ativar, as células T, elas também estão sendo estudadas para tratar diabetes tipo 1 e outras doenças autoimunes, desativando as células T que atacam erroneamente os tecidos saudáveis das pessoas," disse o Dr. Steven Almo, coordenador da equipe.

Checagem com artigo científico:

Artigo: T-Cell Receptor-specific Immunotherapeutics Drive Selective In vivo HIV and CMV-specific T-Cell Expansion in Humanized Mice.
Autores: Mengyan Li, Scott J. Garforth, Kaitlyn E. O’Connor, Hang Su, Danica M. Lee, Alev Celikgil, Rodolfo J. Chaparro, Ronald D. Seidel, R. Brad Jones, Ravit Arav-Boger, Steven C. Almo, Harris Goldstein
Publicação: Journal of Clinical Investigation
DOI: 10.1172/JCI141051
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Vírus

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.