05/03/2020

Público tem grande entusiasmo com uso medicinal da maconha, mas ciência é insuficiente

Redação do Diário da Saúde

Uso medicinal da maconha

Pesquisadores queriam saber como os usuários de maconha encaram as promessas e a eficácia da maconha no tratamento de doenças.

Isso é importante porque tem sido registrado um entusiasmo entre alguns grupos com o uso dos produtos derivados de cannabis também para condições para as quais ainda não há evidências de benefícios.

"Existe uma grande discrepância entre o que as evidências empíricas estão dizendo e o que as pessoas acreditam. As pessoas estão usando maconha e canabinoides para tudo e qualquer coisa, e não temos pesquisas sistemáticas suficientes sobre se [a planta medicinal] é eficaz para essas condições," disse Daniel Kruger, na Universidade de Buffalo (EUA).

Os resultados foram impactantes, mas talvez não exatamente uma surpresa por dois motivos: pela população pesquisada e pela falta de pesquisas científicas suficientes sobre o assunto.

De fato, os cientistas reconhecem a insuficiência de seu próprio estudo, uma vez que a maconha tem sido historicamente negligenciada pelos médicos e cientistas, que muitas vezes não podem fazer os estudos científicos que gostariam por problemas legais de manipulação de uma substância considerada ilegal em quase todo o mundo.

Hash Bash

Os pesquisadores fizeram seu estudo durante o Hash Bash, um evento anual de defesa da maconha que ocorre no campus da Universidade de Michigan há várias décadas. Quase 500 participantes do evento responderam questionários que perguntavam sobre seu uso pessoal de maconha e quais as fontes onde eles coletavam informações sobre o uso medicinal da maconha.

Também havia perguntas como: "Qual das seguintes condições você acha que a maconha é eficaz no tratamento (marque todas as opções aplicáveis)?" e "Para quais das seguintes condições/eventos você acha que o uso da maconha aumenta o risco (marque todas as opções aplicáveis)?"

As respostas dos participantes foram então comparadas com as compilações de estudos já realizadas pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina (NASEM) sobre a eficácia médica e os riscos relacionados ao uso da cannabis.

Gravidez, câncer e depressão

A pesquisa mostrou uma desconexão entre a opinião dos defensores da cannabis e os resultados dos estudos científicos feitos até agora sobre o uso medicinal da maconha.

A maioria dos entrevistados acredita que a maconha é eficaz no tratamento de câncer, sintomas depressivos e epilepsia. As pesquisas científicas feitas até o momento, no entanto, trazem apenas evidências limitadas de que a maconha ou os canabinoides reduzam efetivamente os sintomas depressivos, nenhuma evidência de que ela funcione para câncer e apenas evidências insuficientes de ação contra a epilepsia.

Os resultados também identificaram uma falta de consciência dos potenciais riscos envolvidos com o uso da planta medicinal.

Por exemplo, apenas 22% dos participantes acreditam que o uso de maconha durante a gravidez poderia ser arriscado. "Isso foi realmente impressionante. Há evidências de que o uso de maconha pode levar a menores pesos ao nascer," disse Kruger.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Cannabis Enthusiasts Knowledge of Medical Treatment Effectiveness and Increased Risks From Cannabis Use
Autores: Daniel J. Kruger, Jessica S. Kruger, R. Lorraine Collins
Publicação: American Journal of Health Promotion
DOI: 10.1177/0890117119899218

Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.