25/07/2019

Risco e progressão do Alzheimer difere entre homens e mulheres

Redação do Diário da Saúde
Risco e progressão do Alzheimer difere entre homens e mulheres
As proteínas envolvidas no Alzheimer espalham-se mais rapidamente no cérebro feminino. Mais recentemente, contudo, tem havido suspeitas de que a neurodegeneração do Alzheimer possa envolver o ferro ou o cobre no cérebro.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Alzheimer em homens e mulheres

O acúmulo anormal de proteínas no cérebro - tau e amiloides beta - é um marcador biológico da doença de Alzheimer.

Agora se descobriu que o modo como essas proteínas se espalham pode ajudar a explicar por que a prevalência da doença de Alzheimer é maior entre as mulheres do que entre os homens.

Pesquisadores da Universidade Vanderbilt (EUA) identificaram diferenças na disseminação da proteína tau - que está ligada ao comprometimento cognitivo - entre homens e mulheres, com as mulheres apresentando um maior acúmulo de tau em todo o cérebro devido a um ritmo acelerado de disseminação.

A equipe usou dados de tomografia por emissão de pósitrons (PET), varreduras de indivíduos saudáveis e pacientes com comprometimento cognitivo leve.

Espalhamento da proteína tau no cérebro

Os indícios são de que a tau se espalha através do tecido cerebral como uma infecção, viajando de neurônio para neurônio e transformando outras proteínas em emaranhados anormais, em consequência matando células cerebrais.

A novidade é que os resultados mostraram que a arquitetura das redes de tau é diferente nos homens e nas mulheres, com as mulheres tendo um número maior de "regiões de ligação", que conectam várias comunidades no cérebro.

Essa diferença permite que a tau se espalhe mais facilmente entre as regiões, aumentando a velocidade com que ela se acumula e colocando as mulheres em maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

Terapias diferentes por gênero

Se comprovada por estudos mais amplos, essa disseminação acelerada de tau nas mulheres pode indicar a necessidade de abordagens específicas por sexo para a prevenção da doença de Alzheimer, incluindo terapias preventivas, intervenções no estilo de vida e remediação cognitiva. Antes disso, porém, mais estudos são necessários para validar o modelo acelerado de disseminação da tau entre as mulheres.

"Entender como diferentes processos biológicos influenciam a nossa memória é um tópico realmente importante. Diferenças específicas por sexo na organização patológica, neuroanatômica e funcional do cérebro podem mapear diferenças em nível cognitivo e neurocomportamental, explicando assim as diferenças na prevalência de distúrbios neurodegenerativos e ajudando a desenvolver tratamentos apropriados," disse a pesquisadora Sepi Shokouhi.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Gênero

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.