16/06/2021

Superaudição: Aparelho permite que humanos ouçam ultrassons

Redação do Diário da Saúde
Superaudição: Aparelho dá ouvidos de Batman a qualquer um
Você vai precisar de uma "antena" na testa, mas a superaudição pode compensar esse pequeno transtorno.
[Imagem: Ville Pulkki/Aalto University]

Superaudição

Nós conseguimos ouvir as coisas e até avaliar a distância que o evento gerador do ruído está de nós desde que as frequências sonoras estejam entre 20 Hz e 20.000 Hz, que são os limites inferior e superior da audição humana.

Pesquisadores desenvolveram agora uma nova técnica de áudio que permite uma espécie de "superaudição", permitindo que as pessoas também ouçam fontes ultrassônicas - que geram som em frequências acima de 20.000 Hz - com percepção simultânea de sua direção.

"Em nosso experimento, usamos morcegos em seu habitat natural como fontes de som ultrassônico. Com nossa nova técnica, agora podemos ouvir as direções de chegada dos sons dos morcegos, o que significa que podemos rastreá-los em voo e ouvir onde eles estão - estamos essencialmente nos dando uma superaudição," disse o professor Ville Pulkki, da Universidade Aalto (Finlândia).

Ninguém havia conseguido até hoje detectar os ultrassons, "traduzi-los" em sons audíveis e dar aos ouvintes a sensação de localização da fonte de som.

Ouvindo ultrassons

A tecnologia de superaudição começa com a gravação dos ultrassons, o que é feito usando uma série de microfones uniformemente distribuídos na superfície de uma pequena esfera.

O aparelho então reduz a frequência dos ultrassons, trazendo-os para a faixa audível do ser humano, permitindo que o som seja reproduzido em fones de ouvido comuns. A pessoa que ouve os sons recebe a mesma sensação de fonte de origem e distância que os sons normais.

"Uma análise de campo sonoro é realizada nos sinais do microfone e, como resultado, obtemos a direção mais proeminente do campo sonoro ultrassônico e um parâmetro que sugere que o som vem apenas de uma única fonte. Depois disso, um único sinal de microfone é trazido para a faixa de frequência audível da audição humana e seu sinal de fonte única é reproduzido nos fones de ouvido para que o ouvinte possa perceber a fonte do som na direção em que a análise do som mostrava que ela vinha," explicou Pulkki.

Atualmente, a mudança de tom é realizada em um computador, mas, no futuro, a equipe pretende que ela seja feita com aparelhos portáteis acoplados aos fones de ouvido.

Detectar vazamentos

Além do seu apelo popular como curiosidade, do grande interesse dos biólogos que estudam morcegos e dos cosplayers do Batman, a técnica tem aplicações tangíveis no mundo real.

"Na ciência e na arte, as pessoas sempre se interessaram em como poderiam melhorar seus sentidos. Encontrar fontes de som ultrassônico também é útil em muitas situações práticas, como encontrar vazamentos em canos de gás pressurizados. Pequenos vazamentos em canos geralmente produzem fortes emissões de ultrassom, não detectados pela audição normal. O dispositivo nos permite identificar a fonte sonora rapidamente.

"Às vezes, equipamentos elétricos danificados também emitem ultrassom, e o dispositivo pode ser usado para localizar equipamentos defeituosos mais rapidamente em locais como centros de dados," propôs Pulkki.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Superhuman spatial hearing technology for ultrasonic frequencies
Autores: Ville Pulkki, Leo McCormack, Raimundo Gonzalez
Publicação: Nature Scientific Reports
Vol.: 11, Article number: 11608
DOI: 10.1038/s41598-021-90829-9
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Audição

Robótica

Poluição Sonora

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.