22/07/2020

Tatuagem eletrônica 2.0 desenha sensores na pele com lápis

Redação do Diário da Saúde
Tatuagem eletrônica 2.0: Desenhando eletrônicos na pele
A simples combinação de lápis e papel pode ser usada para criar aparelhos para monitorar a saúde pessoal.
[Imagem: University of Missouri]

Eletrônicos de lápis

Não está longe o dia em que as pessoas poderão monitorar suas próprias condições de saúde simplesmente pegando um lápis e desenhando um dispositivo bioeletrônico na pele.

Sim, não será preciso nem mesmo uma tatuagem eletrônica: a simples combinação de lápis e papel pode ser usada para criar dispositivos que podem ser usados para monitorar a saúde pessoal.

Os dispositivos biomédicos para grudar na pele - aqueles já lançados comercialmente - geralmente contêm dois componentes principais: Um componente de rastreamento biomédico e um material flexível ao redor, como o plástico, para fornecer uma estrutura de suporte para o componente ativo manter uma conexão com o corpo da pessoa.

O professor Yadong Xu, da Universidade de Missouri-Colúmbia (EUA), queria uma abordagem mais simples.

Ele percebeu que lápis comuns, contendo mais de 90% de grafite, são capazes de conduzir uma alta quantidade de energia criada a partir do atrito entre o lápis e o papel durante um procedimento normal de desenho ou escrita.

Depois de algumas medições e comparativos, ele descobriu que lápis com 93% de grafite são os melhores para criar uma variedade de dispositivos bioeletrônicos para a pele, que podem ser desenhados em papel comum para escritório.

A seguir, um adesivo spray biocompatível pode ser aplicado ao papel para ajudá-lo a grudar melhor na pele.

Saúde e educação

Os pesquisadores afirmam que sua inovação pode ter amplas aplicações em cuidados de saúde personalizados em casa, na educação e na pesquisa científica remota.

"Por exemplo, se uma pessoa tem um problema de sono, podemos desenhar um dispositivo biomédico que ajude a monitorar os níveis de sono dessa pessoa. Ou, na sala de aula, um professor pode envolver os alunos incorporando a criação de um dispositivo de vestir usando lápis e papel em seu plano de aulas. Além disso, essa abordagem de baixo custo e facilmente personalizável pode permitir que os cientistas realizem suas pesquisas a partir de casa, como durante uma pandemia," disse o professor Zheng Yan, coordenador da equipe.

O próximo passo para permitir que a técnica saia dos laboratórios será desenvolver e testar melhor o uso dos componentes biomédicos, incluindo sensores eletrofisiológicos, de temperatura e bioquímicos.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Pencil-paper on-skin electronics
Autores: Yadong Xu, Ganggang Zhao, Liang Zhu, View ORCID ProfileQihui Fei, Zhe Zhang, Zanyu Chen, Fufei An, Yangyang Chen, Yun Ling, Peijun Guo, Shinghua Ding, Guoliang Huang, Pai-Yen Chen, Qing Cao, Zheng Yan
Publicação: Proceedings of the National Academy of Sciences
DOI: 10.1073/pnas.2008422117

Ver mais notícias sobre os temas:

Sensores

Equipamentos Médicos

Robótica

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.