Cientistas dizem ter desenvolvido um exame para medir a dor

Cientistas dizem ter desenvolvido um exame para medir a dor
O problema dos opiáceos vai além das dores: remédios opioides para tosse e resfriado vêm sendo receitados para crianças.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Exame para medir dor

Pesquisadores da Universidade de Indiana (EUA) afirmam ter desenvolvido um exame capaz de mensurar a dor em pacientes.

Embora ainda não tenha passado por testes clínicos, a equipe afirma que o teste pode ajudar a conter a crise dos analgésicos opioides, quem vem matando milhares de pessoas anualmente por sobredosagem.

A equipe do professor Alexander Niculescu acompanhou centenas de participantes para identificar biomarcadores no sangue que pudessem ajudar a determinar de forma objetiva a gravidade da dor do paciente.

Os resultados indicaram vários biomarcadores, mas o mais interessante deles é chamado microfibrila associada a proteína 3, ou MFAP3 na sigla em inglês.

"A MFAP3, que não apresentava evidências prévias na literatura de envolvimento na dor, teve a evidência empírica mais robusta de nossos passos de descoberta e validação e foi um forte preditor de dor nas coortes independentes, particularmente em mulheres e homens com TEPT [Transtorno de Estresse Pós-Traumático]. Outros biomarcadores com melhores evidências funcionais convergentes para o envolvimento na dor foram GNG7, CNTN1, LY9, CCDC144B e GBP1. Alguns dos biomarcadores identificados são alvos de drogas existentes," escreveu a equipe em ser artigo, publicado na revista médica Molecular Psychiatry.

Medida objetiva da dor

O exame de sangue, que seria o primeiro de seu tipo, permitiria aos médicos uma precisão muito maior no tratamento da dor - assim como um melhor olhar de longo prazo para o futuro médico do paciente.

"Nós desenvolvemos um protótipo para um exame de sangue que pode objetivamente dizer aos médicos se o paciente está com dor, e quão severa é essa dor. É muito importante ter uma medida objetiva da dor, já que a dor é uma sensação subjetiva. Até agora tivemos que confiar nos pacientes que autorrelatam ou na impressão clínica que o médico tem.

"A epidemia de opiáceos ocorreu porque essas medicações viciantes foram prescritas em demasia devido ao fato de que não havia medida objetiva se alguém estava com dor, ou quão severa era sua dor. Antes, nenhuma boa alternativa tinha sido dada aos médicos. O pensamento era que 'Essa pessoa diz que está com dor, vamos prescrever [opiáceos]'. Agora as pessoas estão vendo que isso criou um problema gigantesco. Precisamos de alternativas aos opiáceos, e precisamos tratar as pessoas de forma precisa. Este teste que desenvolvemos permite isso," disse Niculescu.

A equipe não anunciou quando pretende iniciar os testes clínicos do seu exame.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Desenvolvimento de Medicamentos

Dores Crônicas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.