13/04/2020

Como coordenar esforços para proteger saúde e economia durante pandemia?

Com informações da Universidade de Stanford
Precisamos de resposta coordenada global para enfrentar pandemia
O mundo é uma teia interconectada, e só uma ação coordenada é capaz de produzir os efeitos desejados, diz o especialista em riscos sistêmicos.
[Imagem: Arquivo Pessoal]

Ação coordenada contra pandemia

Sem uma coordenação dentro e entre países, o sars-cov-2 e outros vírus ressurgirão indefinidamente, com consequências devastadoras para a saúde pública e a economia global.

Este é o alerta feita pelo professor Matthew Jackson, da Universidade de Stanford (EUA).

Jackson compara a forma de lidar com a atual pandemia de coronavírus com o combate a uma infestação de cupins em uma casa: Assim como não se consegue eliminar os cupins fumigando apenas um quarto da casa, não se pode controlar a pandemia de coronavírus direcionando intervenções para uma região ou país específico.

Em vez disso, gerenciar a crise requer uma resposta abrangente e coordenada entre os estados de um país e entre os países e continentes. Caso contrário, o problema continuará aumentando a um custo maior para a economia global e a saúde pública.

O pesquisador descreve como a pandemia de coronavírus é entrelaçada usando sua especialidade no estudo, modelagem e simulações do risco sistêmico no que ele chama de "redes de contágio", que tanto podem ser doenças contagiosas como "contágio financeiro" - a disseminação de crises econômicas entre regiões.

Ele também explica como, em uma era de redes globais, lidar com o surto requer uma resposta proativa que considera áreas distintas, mas interdependentes.

De acordo com sua pesquisa, que resposta à pandemia de coronavírus seria menos prejudicial para as redes humanas, principalmente as econômicas?

Bloquear áreas é um instrumento contundente. O bloqueio diminui a velocidade do vírus localmente, mas não terá sucesso por muito tempo, e acabará sendo extremamente caro, se houver falta de coordenação.

Uma razão pela qual fomos forçados a reagir dessa maneira é a nossa incapacidade de testar o vírus de forma ampla e preventiva. Mesmo que custe algumas centenas de dólares para testar cada pessoa, isso seria uma quantia minúscula em comparação com as dezenas de milhares de dólares per capita em perdas econômicas que provavelmente estamos enfrentando na estrada que estamos percorrendo agora.

Saber exatamente onde os casos estão irrompendo e lidar com eles rapidamente seria muito mais econômico e menos traumático. Uma combinação de distanciamento social básico e testes gerais com reações rápidas envolveria a menor perturbação.

Enquanto isso, conforme dedicarmos todos os recursos necessários para tornar os testes mais amplamente disponíveis e esforçar-nos ao máximo para desenvolver uma vacina, precisamos coordenar internacionalmente nossas estratégias de contenção.

A resposta à pandemia de coronavírus tem variado entre países, estados e até municípios. Como estudioso de redes, fale sobre os riscos de esforços descoordenados entre redes.

Essa falta de coordenação pode acabar sendo muito onerosa para o mundo. A dificuldade é que, enquanto uma área está conseguindo diminuir a velocidade do vírus e colocando-o sob controle, ele cresce em outro lugar. Quando estiver sob controle na primeira área, ele poderá retornar de outra área.

Uma analogia é tentar se livrar dos cupins em uma casa. Há uma razão para se fumigar uma casa inteira de uma só vez, mesmo que apenas algumas partes mostrem grandes infestações. Se você fumigar apenas uma sala, quando limpar tudo, os cupins provavelmente estarão se multiplicando em outras salas. Uma vez que você reabra o primeiro quarto, os cupins retornarão dos outros quartos onde estiveram crescendo. Você poderia ficar fumigando quartos para sempre.

A falta de coordenação entre os estados e entre países e continentes nos esforços para frear esse vírus significa que estamos lidando com as coisas uma sala de cada vez, sendo reativos e não proativos.

É impossível selar completamente as fronteiras - tanto física quanto economicamente. Assim, sem coordenação dentro e entre países, acabaremos reagindo infinitamente aos ressurgimentos do vírus.

Em uma economia conectada e globalizada, como uma pandemia global afeta as cadeias de suprimentos internacionais? Como esses impactos podem ser mitigados?

Um grande desafio que enfrentamos no lado econômico é a perda de produção. Isso nunca pode ser recuperado. Isso torna a situação atual muito mais perigosa e potencialmente mais duradoura do que a crise financeira de pouco mais de uma década atrás.

Nossa economia fortemente conectada em rede significa que a produção perdida em uma área pode interromper rapidamente a produção em outro lugar.

Volantes que não são produzidos na Ásia podem atrapalhar a linha de produção de automóveis nos EUA. As perdas na produção também retornam através das redes financeiras de bancos, que têm empréstimos para um espectro de empresas vulneráveis. A combinação da exposição dos bancos e a incerteza de quanto tempo isso pode durar leva os bancos a serem extremamente cautelosos ao oferecer crédito às empresas quando eles mais são necessários.

Tudo isso envolve três redes interagindo: doença, produção e finanças. Minimizar o dano requer uma combinação semelhante de políticas: coordenar melhor a contenção da doença para minimizar a perda de produção, identificar elos críticos nas cadeias de produção e garantir que eles não quebrem e causem falhas em cascata nas empresas, e intervir para preencher a lacuna nos empréstimos causados pelo crescente congelamento de crédito.

A última parte já está sendo implementada em todo o mundo, mas as duas primeiras não. Não podemos evitar a perda de produção no combate a esse vírus, mas podemos coordenar, antecipar e gerenciar melhor.


Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Trabalho e Emprego

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.