04/08/2021

Estimulação elétrica reforça terapia motora de paciente com Parkinson

Com informações da Agência Fapesp
Estimulação elétrica reforça terapia motora de paciente com Parkinson
Tratamento indolor é feito com eletrodos posicionados em regiões específicas do crânio, liberando uma corrente elétrica de baixa potência - os pontos 1 e 2 marcam o local em que são posicionados os eletrodos e a região em amarelo é a que recebe a estimulação transcraniana.
[Imagem: Núbia Ribeiro Conceição et al. - 10.1177/15459683211019344]

Melhoria dos movimentos

A estimulação transcraniana por corrente contínua potencializou o benefício do exercício aeróbico e melhorou o andar de pacientes com Parkinson imediatamente após a sessão.

Houve ganho na variabilidade da marcha, no tempo de reação e no controle executivo do andar.

Os participantes compareceram a duas sessões de 30 minutos de exercícios aeróbicos (ciclismo em intensidade moderada) combinados com diferentes condições de estimulação transcraniana por corrente elétrica (tDCS, na sigla em inglês) ativa ou placebo, com intervalo de uma semana.

Antes e imediatamente após cada sessão, foram avaliadas funções cognitivas e a atividade cerebral durante o andar. Parâmetros espaço-temporais também foram incluídos na análise para acompanhar a quantidade e o comprimento do passo e medir a velocidade da marcha. No estudo, cruzado, randomizado e duplo-cego, houve controle por placebo.

"Em comparação com a pré-avaliação, os participantes diminuíram a variabilidade do tempo do passo, reduziram o tempo de reação simples e de escolha, além de aumentar a atividade na área do cérebro estimulada durante a caminhada após o exercício aeróbico combinado à tDCS ativa," escreveram os pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Estimulação elétrica transcraniana

A estimulação transcraniana é feita por meio de dois pequenos eletrodos retangulares, posicionados em locais específicos do crânio. O aparelho, portátil e alimentado por baterias, é ligado aos eletrodos fixados sobre o couro cabeludo, criando um circuito elétrico que atravessa o cérebro. A corrente é muito baixa, 2 miliamperes (mA), mas suficiente para estimular os neurônios, deixando-os preparados para atuar caso o organismo demande um movimento.

A técnica já é usada como alternativa aos antidepressivos, para combater a enxaqueca e até para alguns pacientes com obesidade, embora os aparelhos para dar choques no cérebro preocupem alguns neurocientistas.

"Mesmo com as limitações do tamanho da amostra, vimos que a estimulação transcraniana aumentou a atividade do córtex pré-frontal, uma área do cérebro que pacientes com Parkinson usam mais para controlar o andar do que indivíduos saudáveis. Com uma única sessão associada ao exercício, observamos melhoras, inclusive das funções cognitivas," disse o professor Rodrigo Vitório, um dos coordenadores do ensaio.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Aerobic Exercise Combined With Transcranial Direct Current Stimulation Over the Prefrontal Cortex in Parkinson Disease: Effects on Cortical Activity, Gait, and Cognition
Autores: Núbia Ribeiro Conceição, Lilian Teresa Bucken Gobbi, Priscila Nóbrega-Sousa, Diego Orcioli-Silva, Victor Spiandor Beretta, Ellen Lirani-Silva, Alexandre Hideki Okano, Rodrigo Vitório
Publicação: Neurorehabilitation & Neural Repair
DOI: 10.1177/15459683211019344
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Tratamentos

Cérebro

Neurociências

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.