Exercício físico elimina proteínas tóxicas dos músculos

Exercício físico elimina proteínas tóxicas dos músculos
A descoberta pode auxiliar no desenvolvimento de alternativas para tratar a disfunção muscular induzida pela falta de atividade física - como ficar muito tempo sentado.
[Imagem: Skeeze / Pixabay]

Efeitos celulares dos exercícios

Os benefícios que a atividade física traz para a saúde são bem conhecidos, mas os processos celulares responsáveis por esses ganhos só começaram a ficar mais claros há pouco tempo.

Um deles é a relação entre a prática de exercício físico e a prevenção da disfunção muscular. Um tipo bastante frequente de disfunção muscular ocorre quando as células do músculo esquelético - que compõe a maior parte do corpo humano - param de receber estímulos.

Isso ocorre, por exemplo, em casos de lesão no nervo isquiático, ou ciático - geralmente observada em indivíduos que passam muito tempo sentados, como motoristas de ônibus - ou quando se está acamado por longos períodos.

Uma equipe da USP, em parceria com colegas dos EUA e da Noruega, decidiu estudar como exatamente funcionam os estímulos usados para minimizar ou mesmo reverter essa disfunção muscular.

Sistema autofágico

A equipe descobriu que a falta de estímulo ao músculo - pelo ficar muito tempo sentado, por exemplo - ocasiona o acúmulo de proteínas mal processadas dentro das células musculares, o que explica o prejuízo na função do órgão. Esse acúmulo decorre do prejuízo na maquinaria celular responsável por identificar e remover tais "lixos" celulares, conhecido como sistema autofágico.

Uma analogia pode ajudar a entender melhor esse processo de autofagia: "Imagine o músculo trabalhando de modo semelhante a uma geladeira, que precisa receber eletricidade para funcionar. Quando esse sinal é cessado, ao retirar a geladeira da tomada ou bloquear o neurônio que inerva o músculo, rapidamente observamos que a comida (na geladeira) e a proteína (no músculo) começam a estragar em diferentes tempos, de acordo com sua composição," disse o professor Júlio César Batista Ferreira, coordenador da equipe.

Estudando animais de laboratório, a pesquisadora Juliane Cruz Campos demonstrou que o exercício físico é capaz de manter o sistema autofágico em alerta, facilitando sua ação quando necessária - como na disfunção muscular induzida por falta de estímulo.

"A atividade física diária sensibiliza o sistema autofágico, facilitando a eliminação de proteínas e organelas pouco funcionais no músculo. A remoção desses componentes mal funcionais é muito importante, pois quando acumulados tornam-se tóxicos e contribuem para a disfunção ou mesmo a morte da célula muscular," disse o professor Júlio César.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atividades Físicas

Trabalho e Emprego

Rejuvenescimento

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.