12/04/2021

Novo tratamento reduz à metade tempo de recuperação de lesão muscular

Redação do Diário da Saúde
Hidrogel com boro reduz à metade tempo de recuperação de lesão muscular
Mecanismo de funcionamento do hidrogel com boro.
[Imagem: Jesús Ciriza et al. - 10.1016/j.msec.2021.112003]

Tratamento de lesão muscular

Uma equipe da Universidade Politécnica de Valência (Espanha) desenvolveu e já testou com êxito, em nível pré-clínico, um novo biomaterial para o tratamento e recuperação de lesões musculares.

De acordo com os testes realizados até agora - em modelos animais -, o material de origem biológica é capaz de regenerar o músculo danificado muito rapidamente - mais especificamente, na metade do tempo que leva para que o músculo se regenere naturalmente.

Além de um apelo imediato para os atletas, o novo material também poderá ser aplicado na prevenção e no tratamento da atrofia muscular, seja associada a doenças hereditárias, seja ligada ao envelhecimento.

A chave para o alto desempenho desse biomaterial está na liberação do elemento boro, que é disperso de forma simples em um hidrogel.

Quando liberado no corpo, o boro estimula as integrinas, proteínas que estão presentes em todas as células do corpo e têm papel fundamental na adesão das células à matriz extracelular, o que leva a uma formação dos tecidos muito eficiente.

Hidrogel de boro

A estimulação simultânea das integrinas que ligam a fibronectina e o transportador de íons de boro (NaBC1) melhora significativamente a regeneração muscular em nível anatômico.

Isto porque o mecanismo induz um maior número de aderências - e de maior tamanho - nas células musculares indiferenciadas, que são aquelas que participam na regeneração muscular após uma lesão.

O resultado final é a formação de miotubos diferenciados, necessários à correta criação de novas fibras musculares, regenerando rapidamente a lesão.

A equipe já está testando a aplicação deste novo biomaterial no tratamento de distrofias musculares, como a distrofia muscular de Duchenne, uma doença hereditária rara que afeta 1 em cada 100.000 crianças.

"Nosso objetivo é avaliar as possibilidades do nosso sistema para o tratamento dessa distrofia, que costuma se manifestar entre os dois e três anos de idade e que, por ser uma doença degenerativa, reduz drasticamente a expectativa de vida dessas crianças," contou a pesquisadora Patrícia Rico.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Borax-loaded injectable alginate hydrogels promote muscle regeneration in vivo after an injury
Autores: Jesús Ciriza, Ana Rodríguez-Romano, Ignacio Nogueroles, Gloria Gallego-Ferrer, Rubén Martín Cabezuelo, José Luis Pedraz, Patricia Rico
Publicação: Materials Science and Engineering: C
Vol.: 123, April 2021, 112003
DOI: 10.1016/j.msec.2021.112003
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Tratamentos

Biotecnologia

Atividades Físicas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.