Higiene excessiva promove resistência a antibióticos?

Higiene excessiva promove resistência a antibióticos?
A unidade de terapia intensiva do Hospital Universitário de Graz foi um dos locais estudados pela equipe.
[Imagem: Medical University of Graz]

Microbioma e resistoma

Pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Graz (Áustria) descobriram uma abordagem intrigante para minimizar a propagação da resistência a antibióticos em hospitais.

Gabriele Berg e seus colegas estudaram o controle microbiano - o grau de limpeza e as medidas de higiene - e como isso influencia o desenvolvimento da resistência das bactérias aos antibióticos.

Para isso, eles compararam o microbioma e o resistoma, ou seja, todos os microrganismos existentes e as resistências a antibióticos, em dois ambientes críticos: UTIs (unidades de terapia intensiva) do hospital universitário e em salas limpas sujeitas a forte controle microbiano na indústria aeroespacial. Como comparativo, foram analisados edifícios públicos e privados, nos quais praticamente não existem controles microbianos.

A equipe descobriu que a diversidade bacteriana diminui em áreas com altos níveis de higiene, mas a diversidade de resistências aumenta. Em outras palavras, a aparentemente "excessiva" higiene dos ambientes controlados acaba promovendo a resistência aos antibióticos.

"Em ambientes com forte controle microbiano, na unidade de terapia intensiva e em salas limpas usadas industrialmente, há crescentes resistências aos antibióticos que mostram um alto potencial de combinação com patógenos," explicou o professor Alexander Mahnert.

Diversidade bacteriana contra resistência

Os resultados indicam que uma diversidade microbiana estável em áreas clínicas se contrapõe à disseminação de cepas resistentes aos antibióticos.

A aeração regular, o cultivo de plantas, o uso deliberado de microrganismos úteis e a redução de agentes de limpeza antibacterianos podem ser as primeiras estratégias para manter ou melhorar essa diversidade microbiana e minimizar o desenvolvimento de cepas resistentes aos antibióticos, dizem os pesquisadores.

Com base em seus resultados, a equipe planeja agora desenvolver e implementar soluções biotecnológicas para dispor de uma diversidade microbiana feita sob medida para os ambientes hospitalares.

"O controle microbiano de patógenos já está sendo usado com sucesso em plantas cultivadas e também em seres humanos no âmbito do transplante de fezes. Nosso estudo fornece uma base inicial para perseguir tais ideias em áreas internas no futuro," disse Berg.


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Atendimento Médico-Hospitalar

Higiene Pessoal

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.