14/05/2020

Hormônios femininos podem ter papel protetor contra coronavírus

Com informações da Agência Fapesp
Hormônios femininos podem ter papel protetor contra coronavírus
Estudo investiga possível atividade inibidora dos estrogênios na evolução da covid-19. O objetivo é chegar a fármacos com potencial terapêutico, como o 17β-estradiol.
[Imagem: Wikipedia Media Commons]

Covid-19 é pior para os homens

Não há um claro predomínio de homens ou mulheres nos indivíduos diagnosticados globalmente com covid-19.

No entanto, a maioria dos que são hospitalizados ou vão a óbito, ou seja, que desenvolvem a doença de forma mais grave, é constituída por homens - "na maioria dos países, os homens têm 50% mais chances de morrer após o diagnóstico do que as mulheres", segundo a organização Global Health 50/50.

Esse dado é corroborado por estatísticas atualizadas da cidade de Nova York (Estados Unidos) e por um estudo realizado na China, de acordo com o qual "o sexo masculino é um fator de risco para pior resultado em pacientes com covid-19, independentemente de idade e suscetibilidade".

O que os cientistas querem descobrir agora é o que protege as mulheres contra as complicações que levam os homens à morte pela covid-19.

Testes de medicamentos

Com base nas constatações epidemiológicas, uma grande equipe multidisciplinar de pesquisadores brasileiros está investigando o papel dos estrogênios, os hormônios femininos, na proteção fisiológica contra o coronavírus.

"Estudos anteriores, realizados com o coronavírus SARS-CoV [causador da síndrome respiratória aguda grave], apontaram diferenças de gênero na infecção e progressão da doença, com maior suscetibilidade de indivíduos do sexo masculino, e indicaram que os estrogênios podiam estar associados à maior proteção fisiológica das mulheres. Queremos testar se o mesmo ocorre com o SARS-CoV-2, o novo coronavírus, para chegar a compostos com potencial terapêutico," detalhou o professor Rodrigo Portes Ureshino, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

A equipe já ultrapassou a etapa de revisão da literatura e entrou na fase experimental propriamente dita. "Infectamos linhagens de células com cepas selvagens de coronavírus e vamos testar nesse modelo mais de 40 compostos com atividade estrogênica para observar os resultados," conta o pesquisador.

Entre os compostos a serem testados, Ureshino destaca o 17β-estradiol (o estrógeno mais abundante no organismo), o tamoxifeno (um modulador seletivo dos receptores estrogênicos) e a agenisteína (um fitoestrógeno). Todos os três já foram utilizados com êxito em modelos de outras doenças virais.

Checagem com artigo científico:

Artigo: SARS-CoV-2 and the Possible Connection to ERs, ACE2 and RAGE: Focus on Susceptibility Factors
Autores: Roberta Sessa Stilhano, Angelica Jardim Costa, Michelle Sayuri Nishino, Shahin Shams, Cynthia Silva Bartolomeo, Ana Cristina Breithaupt-Faloppa, Eduardo Alexandre Silva, Ana Lopez Ramirez, Carla Maximo Prado, Rodrigo Portes Ureshino
Publicação: Preprint
DOI: 10.20944/preprints202005.0178.v1
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Epidemias

Gênero

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.