30/07/2021

Nanocorpo de lhama encontra vírus perigoso escondido no corpo humano

Redação do Diário da Saúde
Nanocorpo de lhama encontra vírus perigoso escondido no corpo humano
Há também uma grande esperança de que esses anticorpos das lhamas possam oferecer uma proteção universal contra a gripe, dispensando as vacinas anuais.
[Imagem: Jessica Knowlden/Unsplash]

Nanocorpos de lhama

Cientistas desenvolveram um "nanocorpo" - um pequeno fragmento de um anticorpo extraído das lhamas - que é capaz de expulsar o citomegalovírus humano (CMV), que consegue se esconder do nosso sistema imunológico.

O anticorpo de lhama na verdade permite que as células do sistema imunológico encontrem e destruam esse vírus potencialmente mortal.

As infecções por CMV (citomegalovírus) em países em desenvolvimento podem chegar a 95% da população. Para a maioria das pessoas, o vírus permanece adormecido, escondido dentro dos glóbulos brancos, onde pode permanecer inalterado e não detectado por décadas.

Se o vírus for reativado em um indivíduo saudável, ele geralmente nem causa sintomas. No entanto, para pessoas imunocomprometidas - por exemplo, receptores de transplantes que precisam tomar medicamentos imunossupressores para evitar a rejeição de órgãos - a reativação do CMV pode ser devastadora.

Não existe ainda uma vacina eficaz contra o CMV, e os medicamentos antivirais frequentemente se mostram ineficazes ou têm efeitos colaterais muito graves.

Camelídeos

Pesquisadores da Universidade Livre de Amsterdã (Holanda) e da Universidade de Cambridge (Reino Unido) descobriram agora uma maneira de perseguir o vírus até seu esconderijo usando um tipo especial de anticorpo conhecido como nanocorpo.

Os nanocorpos foram identificados pela primeira vez em camelos e existem em todos os camelídeos - uma família de animais que também inclui dromedários, lhamas e alpacas.

Os anticorpos humanos consistem em duas cadeias pesadas e duas cadeias leves de moléculas, que juntas reconhecem e se ligam a marcadores na superfície de uma célula ou vírus perigoso - um antígeno. Para esta classe especial de anticorpos camelídeos, no entanto, apenas um único fragmento do anticorpo - conhecido como anticorpo de domínio único, ou nanocorpo - é suficiente para reconhecer adequadamente os antígenos.

Nanocorpo

"Como seu nome sugere, os nanocorpos são muito menores do que os anticorpos normais, o que os torna perfeitamente adequados para determinados tipos de antígenos e relativamente fáceis de fabricar e ajustar. É por isso que estão sendo aclamados como tendo o potencial de revolucionar as terapias de anticorpos," explicou Dr. Timo De Groof, coordenador do estudo.

A equipe desenvolveu nanocorpos que têm como alvo uma proteína viral específica (US28), um dos poucos elementos detectáveis na superfície de uma célula infectada de forma latente com o CMV e um dos principais mantenedores desse estado latente.

"Nossa equipe mostrou que nanocorpos derivados de lhamas têm potencial para vencer o citomegalovírus humano. Isso pode ser muito importante, uma vez que o vírus pode causar complicações fatais em pessoas cujos sistemas imunológicos não estão funcionando corretamente," disse o Dr. Ian Groves, membro da equipe.

Outros nanocorpos já chegaram ao mercado, e vários estão em testes clínicos. Mas ainda não há previsão de quando o nanocorpo contra o citomegalovírus poderá ser aprovado para uso clínico.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Targeting the latent human cytomegalovirus reservoir for T-cell-mediated killing with virus-specific nanobodies
Autores: Timo W. M. De Groof, Elizabeth G. Elder, Eleanor Y. Lim, Raimond Heukers, Nick D. Bergkamp, Ian J. Groves, Mark Wills, John H. Sinclair, Martine J. Smit
Publicação: Nature Communications
Vol.: 12, Article number: 4436
DOI: 10.1038/s41467-021-24608-5
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Imunológico

Vírus

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.