06/02/2020

Nanopartícula aumenta em até 10 vezes eficiência de antibiótico

Com informações da Agência Fapesp
Nanopartícula aumenta em até 10 vezes eficiência de antibiótico
A inovação brasileira mereceu destaque na capa da revista científica onde foi publicada.
[Imagem: Larissa Brentano Capeletti et al. - 10.1002/adfm.201904216]

Táxi para antibiótico

Pesquisadores brasileiros desenvolveram uma nanopartícula que, ao ser injetada na corrente sanguínea, é capaz de carregar moléculas de antibiótico diretamente até as bactérias.

No local da infecção, o material adere à parede do microrganismo e libera o medicamento de forma controlada, aumentando em até 10 vezes a eficácia do tratamento.

A inovação foi desenvolvida por Larissa Capeletti e colegas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

"A resistência a antibióticos é um problema de saúde pública global. Uma das soluções é criar novas formas de eliminar as bactérias, e as nanopartículas podem ser uma opção. O problema é que esses microrganismos têm uma parede celular muito pouco complexa e, por isso, não há muitos pontos de ancoragem, ou seja, locais em que a nanopartícula possa se ligar e agir," explicou o professor Mateus Borba Cardoso, da Unicamp.

Larissa então encapsulou o antibiótico tetraciclina dentro de nanopartículas de sílica revestidas com uma camada de gluconamida, um tipo de carboidrato. "A parede bacteriana é constituída por moléculas de lipopolissacarídeo, um carboidrato complexo. Procuramos outro tipo de carboidrato capaz de se ligar à parede e a gluconamida se mostrou a melhor opção," contou Cardoso.

A ideia é promover uma ação seletiva, atingindo diretamente as bactérias e liberando uma dose de medicamento suficiente para eliminá-las - e, em princípio, também ajudando a evitar o surgimento de microrganismos resistentes ao medicamento.

Nanopartícula aumenta em até 10 vezes eficiência de antibiótico
Esquema da síntese da nanopartícula carreadora de antibiótico.
[Imagem: Larissa Brentano Capeletti et al. - 10.1002/adfm.201904216]

10 vezes melhor

Na comparação com as formas mais comuns de administração da droga, a nanopartícula mostrou-se de cinco a 10 vezes mais eficiente para eliminar as bactérias E. coli usadas como modelo de estudo.

"O protocolo convencional prevê administrar uma dose do fármaco suficiente para circular por várias partes do organismo até atingir as bactérias. Grande parte do princípio ativo é degradada durante o caminho e só uma fração realmente chega ao alvo. Com a nanopartícula o tratamento foi otimizado," explicou o pesquisador.

Os pesquisadores também submeteram a nanopartícula a amostras de sangue humano. A interação não causou efeitos nos glóbulos vermelhos, indicando que a nanopartícula não é tóxica. A mesma partícula sem o revestimento de gluconamida, por sua vez, mostrou-se prejudicial às células sanguíneas.

O grupo trabalha agora no aprimoramento estrutural da nanopartícula. O objetivo é garantir que, após a liberação do medicamento no local da infecção, o material se degrade e possa ser eliminado do organismo.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Gram-Negative Bacteria Targeting Mediated by Carbohydrate-Carbohydrate Interactions Induced by Surface-Modified Nanoparticles
Autores: Larissa Brentano Capeletti, Jessica Fernanda Affonso de Oliveira, Lívia Mesquita Dias Loiola, Flávia Elisa Galdino, Denys Ewerton da Silva Santos, Thereza Amélia Soares, Raul de Oliveira Freitas, Mateus Borba Cardoso
Publicação: Advanced Functional Materials
Vol.: 29, Issue 48
DOI: 10.1002/adfm.201904216

Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Desenvolvimento de Medicamentos

Bactérias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.