Por que o efeito o Vitamina E é uma questão de sorte

Por que o efeito o Vitamina E é uma questão de sorte
Há outro cuidado a se tomar com essa vitamina: o excesso de vitamina E pode ser pior do que sua carência.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Quando a Vitamina E faz mal

Ela tem a fama de retardar o envelhecimento da pele, reduzir a degeneração das articulações no reumatismo e na artrite, e até mesmo proteger contra o câncer e as doenças cardiovasculares.

Por quase 100 anos, os cientistas vêm estudando os efeitos da vitamina E - cujo nome científico é alfa-tocoferol - e, em grande medida, esclareceram a base química de sua ação.

"A vitamina E é um antioxidante. Ela neutraliza os radicais livres que danificam as células," resume o professor Andreas Koeberle, da Universidade Friedrich Schiller (Alemanha), embora deixando de lado o necessário alerta sobre o equilíbrio necessário entre antioxidantes e radicais livres no organismo.

No entanto, embora seus mecanismos de ação tenham sido suficientemente corroborados em modelos celulares e animais de laboratório, a vitamina E até agora não conseguiu convencer em estudos clínicos - em outras palavras, não adianta tomar suplementos de vitamina E.

"Aqui, encontramos resultados muito heterogêneos," detalha Koeberle. "Não é apenas que os efeitos positivos muitas vezes não se manifestam tão fortemente quanto o esperado, mas às vezes a administração da vitamina E na verdade tem efeitos prejudiciais."

Por que a Vitamina E pode fazer mal

O Dr. Koeberle e seus colegas descobriram agora uma possível causa para os problemas com os suplementos de vitamina E em um amplo estudo interdisciplinar realizado com cientistas da Áustria, França e Itália.

Eles descobriram que o efeito da vitamina E, quando tomada como um comprimido ou cápsula, não é baseado na vitamina em si, mas sim no efeito de um metabólito, uma substância chamada alfa-carboxicromanol.

O alfa-carboxicromanol é produzido no fígado, mas o nível do metabólito no sangue varia amplamente de uma pessoa para outra.

Em outras palavras, seria necessário fazer um exame - que ainda não está disponível - para ver quais pessoas poderiam se beneficiar de tomar suplementos de vitamina E, e quais poderiam seriam prejudicadas por eles.

"Se o efeito da vitamina E depende de quanto do metabólito bioativo é produzido, isso explica muito bem porque a mesma quantidade de vitamina E tem um efeito particular em uma pessoa e talvez um efeito muito mais limitado em outra.

"Se primeiro caracterizarmos o metabolismo de um paciente, será possível obter sucesso terapêutico - e não apenas com vitamina E - com uma precisão muito maior," disse o pesquisador Oliver Werz, membro da equipe, que publicou suas conclusões na revista Nature Communications.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vitaminas

Alimentação e Nutrição

Prevenção

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.