21/12/2021

Quais fatores as pessoas pesam para não se vacinarem?

Redação do Diário da Saúde
Quais fatores as pessoas pesam para não se vacinarem?
Tem havido várias pesquisas tentando compreender o que leva algumas pessoas a assumirem posturas antivacinação.
[Imagem: RUB/Kramer]

Por que você é contra a vacina?

Ser vacinado contra a covid-19 pode desempenhar um papel crucial no fim da pandemia - vacinar 52% acaba com a pandemia, conforme demonstrou estudo inédito realizado no Brasil pelo Instituto Butantan.

Mas um número inesperadamente grande de pessoas está rejeitando a vacinação.

Embora em qualquer intervenção pública sempre haja um percentual de pessoas que prefere ficar de fora, os cientistas têm ficado intrigados com a intensidade do movimento antivacina durante a pandemia.

Em uma grande pesquisa online, uma equipe do departamento de psicologia da Universidade Ruhr-Bochum (Alemanha) analisou quais fatores as pessoas levam em consideração quando decidem se posicionar a favor ou contra a vacinação. Mais de 9.000 pessoas em nove países em três continentes participaram - aproximadamente 1.000 participantes por país na China, França, Alemanha, Polônia, Rússia, Espanha, Suécia, Reino Unido e EUA.

A pesquisa coletou informações sobre sexo, idade, estado civil, status social, se os participantes moram em uma área urbana ou rural, se pertencem a um grupo de risco para a covid-19, sua saúde mental, seu uso de mídias sociais, suas percepções da comunicação governamental e suas atitudes em relação à resposta à pandemia.

Conclusão: Os fatores que levam à rejeição da vacina variam de país para país, englobando grupos populacionais diferentes em cada um deles.

Isso implica que não existe uma receita única para enfrentar o movimento antivacina, sendo que cada país deverá desenvolver sua própria abordagem ao projetar campanhas educacionais e de defesa dos direitos individuais, concluiu a equipe.

Razões para ser contra a vacina

No geral, cerca de 80% das pessoas entrevistadas disseram que já haviam sido vacinadas ou que gostariam de ser vacinadas. No entanto, a porcentagem variou muito de país para país: Enquanto no Reino Unido 93,9% estavam vacinados ou dispostos a ser vacinados, na Rússia esse número alcançou apenas 62%.

Em quase todos os lugares, os grupos antivacina são pessoas que duvidam da eficácia das medidas adotadas pelos governantes e pessoas que não obtêm suas informações pela televisão, destacando a importância das mídias sociais para a disseminação do movimento antivacina.

As diferenças entre os nove países podem ser explicadas por uma combinação de fatores internos e externos, segundo os pesquisadores: "Podemos atribuir cerca de 30 a 40% das diferenças aos fatores que estudamos em nossa pesquisa. Na Alemanha, os céticos da vacina tendem a ser do sexo masculino, enquanto na China, as mulheres são mais propensas a rejeitar a vacinação. Na Suécia e em alguns outros países, o gênero não desempenha um papel."

Mas, em quase todos os países, a equipe encontrou uma ligação entre não usar a televisão como fonte de informação e recusar a vacinação. Na Polônia, Suécia e Estados Unidos, o uso das redes sociais como fonte de informação contribuiu para que as pessoas tivessem maior probabilidade de rejeitar a vacinação. Pessoas que não consideram as políticas governamentais eficazes também têm maior probabilidade de rejeitar a vacinação - o único país no qual esse fator não apareceu foi na China.

"Para melhorar a cobertura da vacinação e, assim, alcançar a imunidade global contra a covid-19, cada governo deve considerar o padrão específico para sua população. Esta é a forma mais importante de combater com sucesso a pandemia," disse a professora Julia Brailovskaia, coordenadora da pesquisa.

Checagem com artigo científico:

Artigo: To vaccinate or not to vaccinate!? Predictors of willingness to receive Covid-19 vaccination in Europe, the U.S., and China
Autores: Julia Brailovskaia, Silvia Schneider, Jürgen Margraf
Publicação: PLoS ONE
DOI: 10.1371/journal.pone.0260230
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Vacinas

Comportamento

Prevenção

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.