11/01/2021

O que é melhor: Quarentena total ou quarentena em fases?

Redação do Diário da Saúde
O que é melhor: Quarentena total ou quarentena em fases?
Você também pode seguir dicas para aliviar a ansiedade da quarentena e do coronavírus.
[Imagem: Svein-Inge Meland]

Quarentena total ou quarentena parcial?

A importância da quarentena estrita - ou bloqueio total - tem sido amplamente debatida durante a epidemia de covid-19.

Um dos principais aspectos do debate é saber se a melhor estratégia é ter um bloqueio em duas fases - um bloqueio estrito seguido por um relaxamento das restrições - ou uma política de quarentena única e mais suave - o modelo sueco.

A resposta difícil é: Depende.

Depende da característica de cada população, mais especificamente, de como as pessoas de um determinado local se relacionam.

As pesquisas mais recentes sobre esta questão mostram que a segunda onda de uma epidemia é muito diferente se uma população tiver uma distribuição homogênea de contatos, em comparação com o cenário de subpopulações com diversos números de contatos.

Os pesquisadores usaram uma simulação para modelar o progresso de uma epidemia em uma rede onde a conectividade de cada indivíduo muda ao longo do tempo, modelando os efeitos das decisões políticas feitas em relação a vários graus de quarentena.

Como interromper a quarentena

Segundo os autores, se uma população tem uma distribuição homogênea do número de contatos, "o número total de infectados ao final da epidemia é o mesmo que se nenhum bloqueio tivesse sido decretado (saturação do sistema de saúde à parte)", ao passo que, no caso de frequências diversas de contatos, o número total de indivíduos infectados pode ser significativamente menor.

O motivo para esse efeito é simples: Depois que os indivíduos com grande número de contatos pegam a doença e adquirem imunidade, eles não mais ajudam na propagação da epidemia, que desacelera. Portanto, o momento ideal para permitir que as pessoas que têm poucos contatos aumentem as conexões (suspendendo o bloqueio) seria depois que as pessoas com grande número de contatos se tornassem imunes; isso irá minimizar o número líquido de indivíduos infectados ao longo da epidemia.

A simulação em computador sugere ainda um procedimento baseado em graus que seria ideal para suspender a quarentena: "Libere primeiro as pessoas com muitos contatos sociais".

Medidas práticas

Na prática, quando o estado suspende a quarentena estrita (ou passa de uma fase da quarentena para a próxima fase), sempre há uma escolha. Pode-se abrir lojas menores (onde os caixas são nós de alto risco) ou pode-se permitir reuniões (que normalmente consistem em nós de baixo risco). O modelo sugere que as lojas precisam ser abertas primeiro: "Desta forma podemos salvar muitos indivíduos (principalmente nódulos de baixo grau) de serem infectados".

Os autores continuam: "Isso tem duas consequências importantes: Primeiro, enfatiza a relevância da adoção de medidas de bloqueio para interromper o primeiro surto de uma epidemia e, segundo, mostra que a segunda e as ondas seguintes podem ser mais brandas do que o esperado."

Contudo, a diferença entre as teorias dos cientistas e a realidade pode ser bastante grande. Por exemplo, nenhum modelo divulgado até agora levou em conta o fato de que algumas pessoas podem não se tornar realmente imunes à covid-19, pegando a doença mais de uma vez, ou que a imunidade adquirida seja de pequena duração.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Path-dependent course of epidemic: Are two phases of quarantine better than one?
Autores: Varun Nimmagadda, Oleg Kogan, Evgeniy Khain
Publicação: Europhysics Letters
Vol.: 132, Number 2
DOI: 10.1209/0295-5075/132/28003
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Relacionamentos

Comportamento

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.