23/07/2019

Suplemento com bactéria reduz riscos cardiovasculares e metabólicos

Redação do Diário da Saúde
Bactéria reduz riscos cardiovasculares e problemas metabólicos
A bactéria Akkermansia ainda não pode ser considerada conclusivamente um microrganismo probiótico, mas será comercializada como suplemento alimentar.
[Imagem: Patrice Cani/UCLouvain]

Bactéria contra obesidade

Em 2007, Patrice Cani e sua equipe da Universidade de Lovaina (Bélgica) descobriram os efeitos benéficos de uma bactéria intestinal, a Akkermansia muciniphila, capaz de moderar o desenvolvimento da obesidade e do diabetes tipo 2 em camundongos.

Em 2017, a equipe descobriu (ainda nos camundongos) que o uso de uma forma pasteurizada de Akkermansia leva a uma proteção ainda maior do que a bactéria viva em relação a vários fatores de risco para doenças cardiovasculares, como resistência à insulina, hipercolesterolemia ou armazenamento de gordura no tecido adiposo.

Após os resultados promissores com as cobaias, a equipe desenvolveu um estudo clínico para administrar as bactérias em seres humanos.

A Akkermansia foi administrada a voluntários com sobrepeso ou obesos, todos apresentando resistência à insulina (pré-diabetes tipo 2) e síndrome metabólica, ou seja, tendo vários fatores de risco elevados para doenças cardiovasculares. Os voluntários foram divididos aleatoriamente em três grupos (placebo, bactérias vivas e bactérias pasteurizadas) e foram orientados a não mudar seus hábitos alimentares ou sua atividade física. A Akkermansia foi fornecida como um suplemento nutricional.

As conclusões são claras: os testes em humanos confirmam o que já havia sido observado em camundongos. A ingestão da bactéria pasteurizada impediu a deterioração do estado de saúde dos indivíduos com pré-diabetes e com riscos cardiovasculares.

Ainda melhor, os pesquisadores observaram uma diminuição nos marcadores de inflamação no fígado, uma ligeira diminuição no peso corporal dos voluntários (2,3 kg em média), bem como uma diminuição dos níveis de colesterol. Em contraste, os parâmetros metabólicos (resistência à insulina ou hipercolesterolemia) em indivíduos tratados com placebo continuaram a deteriorar-se ao longo do tempo.

Suplemento alimentar versus probiótico

Estes resultados abrem o caminho para um estudo em grande escala, para confirmar estas primeiras conclusões.

Mas a equipe afirma que as conclusões já são suficientes para endossar a comercialização das bactérias como suplemento alimentar, o que eles esperam fazer até 2021.

Um suplemento alimentar é uma fonte concentrada de nutrientes destinados a corrigir deficiências nutricionais da dieta regular de uma pessoa. Ou seja, a bactéria Akkermansia ainda não pode ser considerada conclusivamente um microrganismo probiótico - um probiótico é um ser vivo que, quando consumido em quantidades adequadas, traz benefícios para a saúde do ser humano. Para ser chamado de probiótico, um produto deve ter sido objeto de estudos de longo prazo em humanos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Prevenção

Bactérias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.