28/07/2021

Terapia magnética reduz câncer do cérebro em um mês

Redação do Diário da Saúde
Terapia magnética reduz câncer do cérebro em um mês
A terapia magnética conseguiu o que não foi possível com cirurgia, quimioterapia, radioterapia e até uma terapia gênica experimental.
[Imagem: David S. Baskin et al. - 10.3389/fonc.2021.708017]

Tratamento magnético

Uma nova técnica de tratamento não-invasivo reduziu um tumor glioblastoma - que hoje tem efeito fatal - em quase um terço em apenas um mês.

A técnica, chamada estimulação magnética transcraniana, é aplicada usando um capacete que gera um campo magnético oscilante - neste primeiro experimento, o tratamento foi administrado pelo próprio paciente em sua casa.

O glioblastoma é o câncer cerebral mais mortal em adultos, quase sempre fatal, com expectativa de vida de alguns meses a dois anos. O glioblastoma do paciente apresentou recorrência em agosto de 2019, mesmo após todos os esforços médicos, incluindo uma excisão cirúrgica radical, quimiorradioterapia e terapia gênica experimental.

Com a terapia magnética, em um mês, 31% da massa tumoral desapareceram.

"Graças à coragem desse paciente e de sua família, pudemos testar e verificar a eficácia potencial da primeira terapia não-invasiva para glioblastoma no mundo," disse o Dr. David Baskin, do Instituto Neurológico Metodista de Houston (EUA).

Por um daqueles acasos curiosos do destino, contudo, o paciente de 53 anos morreu poucas semanas depois do início do tratamento devido a uma lesão não relacionada ao seu câncer. "A generosa concordância da família, de permitir uma autópsia após a morte prematura de seu ente querido, fez uma contribuição inestimável para o estudo e o desenvolvimento desta terapia potencialmente poderosa," disse o Dr. Baskin.

Terapia magnética reduz câncer do cérebro em um mês
Esta é a primeira versão do aparelho oncomagnético, ainda bastante improvisado.
[Imagem: HMNI]

Aparelho oncomagnético

O tratamento experimental consistiu na aplicação de um campo magnético oscilante, gerado por ímãs permanentes giratórios, em um perfil de frequência e padrão de tempo específicos.

Inicialmente administrado por duas horas, os tratamentos subsequentes foram administrados em casa, com a ajuda da esposa do paciente, com tempos de tratamento crescentes até um máximo de seis horas por dia.

O aparelho oncomagnético parece extremamente simples: Três osciladores ficam presos a um capacete e são conectados a um controlador eletrônico (microprocessador), tudo alimentado por uma bateria recarregável.

Durante as cinco semanas de tratamento do paciente, a terapia magnética foi bem tolerada e a massa e o volume do tumor diminuíram em quase um terço, com a redução mostrando correlação com a dose de tratamento.

"Imagine tratar o câncer cerebral sem radioterapia ou quimioterapia," disse Baskin. "Nossos resultados em laboratório e com este paciente abrem um novo mundo de terapia não-invasiva e não-tóxica para o câncer de cérebro, com muitas possibilidades empolgantes para o futuro."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Case Report: End-Stage Recurrent Glioblastoma Treated With a New Noninvasive Non-Contact Oncomagnetic Device
Autores: David S. Baskin, Martyn A. Sharpe, Lisa Nguyen, Santosh A. Helekar
Publicação: Frontiers in Oncology
DOI: 10.3389/fonc.2021.708017
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Terapias Alternativas

Câncer

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.