Colírio de açafrão para tratar glaucoma e fazer neurodiagnósticos

Colírio de açafrão para tratar glaucoma e fazer neurodiagnósticos
O açafrão vem sendo considerado um "tempero medicinal" para as mais diversas aplicações.
[Imagem: Wikimedia/Guilleron]

Curcumina

Um derivado de açafrão pode ser usado em colírios para tratar os estágios iniciais do glaucoma e para detectar diversas condições neurológicas.

Isto graças a um novo método para administrar a curcumina, que acaba de ser desenvolvido por pesquisadores da Universidade College e do Imperial College de Londres.

A curcumina é um dos compostos naturais mais promissores nas pesquisas recentes porque reforça o sistema imunológico.

Mas o uso da substância tem ficado abaixo do esperado porque ela apresenta uma solubilidade muito baixa, o que dificulta sua aplicação no corpo.

"A curcumina é um composto entusiasmante que se mostrou promissor na detecção e tratamento da neurodegeneração implicada em numerosas condições oculares e cerebrais, do glaucoma ao Alzheimer, por isso ser capaz de administrá-la facilmente em colírios pode acabar ajudando milhões de pessoas," disse a professora Francesca Cordeiro, coordenadora do trabalho.

Nanocarreador

Já se sabia que a curcumina protege as células ganglionares da retina quando administrada oralmente, mas a administração oral é difícil porque a curcumina não se dissolve facilmente e é absorvida pela corrente sanguínea antes de chegar aos olhos, o que exigiria que os pacientes tomassem grandes quantidades de comprimidos - até 24 por dia -, o que causa efeitos colaterais gastrointestinais.

A equipe então desenvolveu um novo nanocarreador, uma nanopartícula na qual a curcumina fica contida em um surfactante combinado com um estabilizador, ambos seguros para uso humano e já presentes em medicamentos oculares.

O nanocarreador pode ser usado em colírios para fornecer cargas muito maiores de curcumina, aumentando a solubilidade do fármaco em um fator de quase 400.000, além de deixar a curcumina somente nos olhos, em vez de espalhá-la por todo o corpo.

"Estamos agora pesquisando usos diagnósticos para esses colírios, juntamente com outras formas de visualizar a retina, uma vez que os testes oculares podem ser uma oportunidade para detectar sinais de neurodegeneração com um teste simples e não invasivo," disse Ben Davis, coautor do estudo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos Naturais

Plantas Medicinais

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.