03/05/2022

Estar na natureza é bom para a mente, corpo e nutrição

Redação do Diário da Saúde

Natureza e saúde

No final de 2020, médicos canadenses viraram manchete em todo o mundo por "receitar natureza", fazendo recomendações de tempo que os pacientes deviam ficar ao ar livre, com base em pesquisas que mostram que pessoas que passaram duas ou mais horas por semana na natureza melhoraram sua saúde e bem-estar.

De fato, a relação com a natureza tem sido associada a uma melhor saúde cognitiva, psicológica e física e a uma maior preocupação com uma boa gestão ambiental.

Sabendo disso, uma equipe multidisciplinar da Universidade de Drexel (EUA) decidiu investigar como o relacionamento com a natureza - simplesmente sentir-se conectado com o mundo natural - beneficia a diversidade alimentar e a ingestão de frutas e vegetais, outros sabidos componentes de uma boa saúde.

A equipe entrevistou mais de 300 adultos para medir sua conexão autorrelatada com a natureza, incluindo sua experiência e perspectiva da natureza, e os alimentos e bebidas que consumiram no dia anterior, para avaliar sua diversidade alimentar e estimar seu consumo diário de frutas e vegetais.

Os resultados da pesquisa mostraram que os participantes com uma ligação mais forte com a natureza relataram uma alimentação mais variada e consumiram mais frutas e verduras.

"Este trabalho pode impactar as práticas de promoção da saúde de duas maneiras," disse a professora Brandy-Joe Milliron. "Primeiro, as intervenções de promoção da saúde baseadas na natureza podem aumentar o relacionamento com a natureza ao longo da vida e potencialmente melhorar a ingestão alimentar. E, segundo, aumentar as intervenções dietéticas com atividades baseadas na natureza pode levar a maiores melhorias na qualidade da dieta".

Natureza e alimentação

Segundo a equipe, esta associação destaca o potencial para alavancar experiências ou intervenções baseadas na natureza, como incorporar espaços verdes ou arborização urbana no planejamento das cidades, integrar programas de prescrição natural e de parques nas práticas de saúde e promover experiências baseadas na natureza em ambientes de sala de aula, entre muitos outros.

Mas, observaram os pesquisadores, embora melhorar a ingestão alimentar por meio de intervenções baseadas na natureza possa ser valioso, também é complexo.

"Pesquisas futuras devem explorar as maneiras pelas quais diferentes comunidades experimentam e valorizam a natureza," disse a pesquisadora Dane Ward. "É preciso incluir como as interseções de meio ambiente, cultura, raça, história (incluindo conexão com a terra), coesão social e outros fatores sociais e econômicos influenciam a identidade da comunidade em relação à natureza e à ingestão alimentar."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Nature Relatedness Is Positively Associated With Dietary Diversity and Fruit and Vegetable Intake in an Urban Population
Autores: Brandy-Joe Milliron, Dane Ward, Janeway Granche, Janell Mensinger, Dahlia Stott, Claire Chenault, Franco Montalto, Eugenia V. Ellis
Publicação: American Journal of Health Promotion
DOI: 10.1177/08901171221086941
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Alimentação e Nutrição

Diversão

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.