31/08/2021

Nosso cérebro adivinha o futuro quando ouvimos música

Redação do Diário da Saúde
Nosso cérebro adivinha o futuro quando ouvimos música
Já se sabia que o cérebro sincroniza com a música, mas este estudo mostrou que ele faz mais do que isso.
[Imagem: McGill University]

Cérebro preditivo

Seja ouvindo um concerto de Bach ou as últimas músicas pop no Spotify, o cérebro humano não espera passivamente que a música se desenrole.

Em vez disso, quando uma frase musical tem uma qualidade não resolvida ou incerta, nosso cérebro prediz automaticamente como a melodia vai se desenrolar.

Essa descoberta contradiz as teorias anteriores sobre como o cérebro humano processa a música: Os cientistas consideravam até agora que as frases musicais seriam percebidas olhando para o passado, em vez de para o futuro.

"O cérebro está constantemente um passo à frente e busca equivalência para as expectativas do que está para acontecer," explica o professor Niels Hansen, da Universidade Aarhus (Dinamarca). "Esta descoberta desafia as suposições anteriores de que as frases musicais parecem terminadas somente depois que a próxima frase começa."

Frase musical

Hansen e seus colegas concentraram suas pesquisas em uma das unidades básicas da música, a frase musical - uma sequência ou padrão de sons que formam um "pensamento" musical distinto dentro de uma melodia.

Como uma frase falada, uma frase musical é uma parte coerente e completa de um todo maior, mas pode terminar com alguma incerteza sobre o que vem a seguir na melodia.

A pesquisa mostrou que os ouvintes usam esses momentos de incerteza, ou alta entropia, para determinar onde uma frase termina e outra começa.

"Sabemos muito pouco sobre como o cérebro determina quando as coisas começam e terminam," disse Hansen. "Aqui, a música fornece um domínio perfeito para medir algo que de outra forma seria difícil de medir - ou seja, a incerteza."

Nosso cérebro adivinha o futuro quando ouvimos música
O próprio funcionamento do cérebro segue um ritmo quase musical.
[Imagem: National Institute on Aging/National Institutes of Health]

Oráculo cerebral

Para estudar o poder de predição musical do cérebro, os pesquisadores pediram que 38 participantes ouvissem, nota por nota, as melodias dos corais de Bach. Os participantes podiam pausar e reiniciar a música pressionando a barra de espaço no teclado do computador.

Foi dito aos participantes que eles seriam testados posteriormente sobre o quão bem eles se lembravam das melodias. Isso permitiu que os pesquisadores usassem o tempo que os participantes se demoravam em cada tom como uma medida indireta de sua compreensão do fraseado musical.

Em um segundo experimento, 31 participantes diferentes ouviram as mesmas frases musicais e avaliaram o quão completas elas soavam. Os participantes julgaram que as melodias que terminavam em tons de alta entropia eram mais completas - e permaneceram nelas por mais tempo.

"Fomos capazes de mostrar que as pessoas têm uma tendência a experimentar tons de alta entropia como terminações de frases musicais. Esta é uma pesquisa básica que nos torna mais conscientes de como o cérebro humano adquire novos conhecimentos não apenas da música, mas também quando se trata de linguagem, movimentos ou outras coisas que ocorrem com o tempo," disse Haley Kragness, da Universidade de Toronto (Canadá) e coautora do estudo.

Os pesquisadores esperam que seus resultados possam ser usados para otimizar a comunicação e as interações entre as pessoas - ou, alternativamente, para entender como os artistas são capazes de provocar ou "enganar" o público.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Predictive uncertainty underlies auditory boundary perception
Autores: Niels Chr. Hansen, Haley E. Kragness, Peter Vuust, Laurel Trainor, Marcus T. Pearce
Publicação: Psychological Science
DOI: 10.1177/0956797621997349
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Mente

Neurociências

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.